Publicidade

Correio Braziliense

Audiência de custódia de policial que matou tenente da PM será nesta terça

Atirador está preso na carceragem do Departamento de Polícia Civil. Sepultamento do militar será às 11h no cemitério Campo da Esperança


postado em 15/04/2019 21:25 / atualizado em 15/04/2019 22:42

Policiais que conviveram com o tenente Herison de Oliveira Bezerra afirma que ele era 'super tranqüilo'(foto: Reprodução/ facebook)
Policiais que conviveram com o tenente Herison de Oliveira Bezerra afirma que ele era 'super tranqüilo' (foto: Reprodução/ facebook)

 

O policial civil Péricles Marcos Júnior, que atirou e matou o tenente Herison de Oliveira Bezerra na madrugada desta segunda-feira (15/4), participará, nesta terça (16/4), de uma audiência de custódia. Um juiz decidirá se o acusado continua preso ou se poderá responder o processo, inicialmente, em liberdade. Péricles está na carceragem do Departamento da Polícia Civil desde a última madrugada, quando foi detido em fragrante, após disparar três vezes contra o militar em uma casa de show no Areal, região de Águas Claras. 

 
Além da audiência que decidirá o destino do atirador, a Polícia Civil do Distrito Fedederal (PCDF) informou que um processo administrativo será aberto para investigar internamente o caso. Medidas punitivas no meio institucional também não estão descartadas.  
 

O caso

O desentendimento entre os dois policiais aconteceu em uma casa de festas, na madrugada desta segunda-feira (15/4). As imagens da câmera de segurança mostram Péricles Marcos parado, encostado em um balcão, quando Henri passa e esbarra no suspeito. Os dois começam uma discussão, que dura segundos. Irritado, o policial civil saca a arma e dispara contra o tenente. O militar também tirou a arma do coldre, mas não chegou a efetuar nenhum disparo.
 
Policiais militares que atuavam nas proximidades do Barril 66, às margens da Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB) chegaram rapidamente à cena do crime. Informados do que havia acontecido, prenderam Péricles e socorreram o colega de corporação. Henri foi levado ao Hospital Regional de Taguatinga (HRT), mas não resistiu aos ferimentos e morreu minutos depois de dar entrada na unidade de saúde. 

Uma mulher, de 39 anos, também acabou atingida por um projétil, na coxa. Ela foi socorrida, orientada e estável, e recebeu alta poucas horas depois. 
 

Luto 

 
Nas redes sociais, amigos e parentes de Henri lamentaram a tragédia. Assim que souberam do ocorrido, familiares da vítima se reuniram na casa da avó do PM, em Ceilândia. "Eu fui o primeiro a receber a notícia, ainda de madrugada. Ninguém aqui consegue acreditar no que aconteceu e também não sabemos o que fazer", disse, ao Correio, um tio do militar, o funcionário público Sérgio Messias, 53.  
 
Herison foi criado no Guará e sempre foi muito ligado à família. Como trabalhava no 10° Batalhão da PM, em Ceilândia, visitava a avó todos os dias. "Ele sempre ligava e perguntava se tinha almoço. Minha mãe mora sozinha e ele era uma companhia frequente para ela", relembrou o tio. 
 
O velório de Herison de Oliveira Bezerra, segundo tenente da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) acontece nesta terça-feira (16/4), no Tempo Militar Evangélico, no Setor Policial Sul. A cerimônia está marcada para começar às 8h. O sepultamento está previsto para as 11h, no Cemitério da Esperança, na Asa Sul. 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade