Publicidade

Correio Braziliense

Caso de vendedora arrastada pode evoluir para tentativa de homicídio

Delegado-chefe da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), responsável pela investigação, espera que o casal suspeito se apresente até terça-feira (18/6)


postado em 17/06/2019 14:51 / atualizado em 17/06/2019 14:51

Vendedora precisava da renda dos balões para pagar contas(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Vendedora precisava da renda dos balões para pagar contas (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
O delegado responsável por investigar o caso da vendedora de balões arrastada por um carro na porta de uma festa junina espera que o casal suspeito pelo crime se apresente até terça-feira (18/6). A ocorrência é tratada, inicialmente, como uma lesão corporal, mas, segundo o chefe da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro), pode evoluir até para uma tentativa de homicídio. “Somente as investigações vão poder dizer qual a proporção do fato”, explicou o delegado Josué Ribeiro.
Ele acredita que o motorista não tenha tido intenção de arrastar Marina Izidoro de Morais, 63 anos. “A passageira do carro puxou o balão da mão da vendedora, mas, possivelmente, pode não ter notado que eles estavam presos no pulso da vítima”, esclareceu o delegado.

Nas redes sociais, uma internauta contou ter visto o exato momento em que a vítima caiu no asfalto e foi arrastada pela força do veículo. A Polícia Civil tenta localizar a testemunha para colher depoimento formal dela.

Entenda o caso

Marina estava trabalhando na porta de uma escola particular de Taguatinga Sul no domingo (16/6), desde às 11h, vendendo balões. Por volta de 19h30, um casal em um carro de luxo parou na sua frente e pediu desconto nos produtos. Já na negociação eles ficaram irritados, mas pediram para levar três.
 
Braços ficaram com a marca da corda dos balões(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Braços ficaram com a marca da corda dos balões (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

 
Quando abaixei para pegar o balão para a mulher que estava no passageiro, ela puxou a corda que estava amarrada na minha mão. Quando fez isso, ele fechou o vidro e saiu me arrastando. Foi horrível, comecei a gritar por socorro. Vi a morte de perto”, lembrou a senhora.

O casal apontado como suspeito está foragido desde domingo. “Agora eu só quero justiça, eles têm que pagar pelo que fizeram. Porque eu fiquei toda machucada, quase não estou mais aqui para contar história, e vou ficar sem trabalhar, sem poder pagar minhas contas”, lamentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade