Publicidade

Correio Braziliense

Racha da L4 Sul: Justiça decide devolver CHN de bombeiro

Noé Albuquerque Oliveira estava com a carteira apreendida desde outubro de 2017. O caso ocorreu em abril daquele ano e deixou mãe e filho mortos


postado em 24/06/2019 19:34 / atualizado em 24/06/2019 20:03

O acidente ocorreu em abril de 2017 e deixou mãe e filho mortos (foto: Hugo Gonçalves/Esp. CB/D.A Press)
O acidente ocorreu em abril de 2017 e deixou mãe e filho mortos (foto: Hugo Gonçalves/Esp. CB/D.A Press)
A Justiça determinou a devolução imediata da carteira nacional de habilitação (CNH) do bombeiro e enfermeiro Noé Albuquerque Oliveira, que se envolveu na morte de mãe e filho em um acidente de trânsito. O caso ficou conhecido como Racha da L4 Sul e ocorreu em 30 de abril de 2017. O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) divulgou a decisão nesta segunda-feira (24/6). 

Noé Albuquerque estava com a carteira de motorista apreendida desde outubro de 2017, conforme deliberação da Justiça. À época, o militar também respondia pelo homicídio doloso (quando há intenção de matar) de Ricardo Cayres, 46 anos, e a mãe dele, Cleusa Maria Cayres, 69, próximo à Ponte das Garças.

O bombeiro foi absolvido do crime, em março deste ano. A Justiça desclassificou a acusação contra o advogado Eraldo José Cavalcante Pereira, que participava do suposto pega com Noé. Em 19 de junho, a defesa de Noé Albuquerque interpôs recurso para revogar a medida cautelar de suspensão do direito de dirigir e, assim, o bombeiro ter a CNH devolvida. 
 
Para Éder Ricardo Fior, advogado de defesa de Noé, a decisão do tribunal foi coerente. “A suspensão foi uma medida cautelar do processo e, a partir do momento que Noé provou inocência, não há necessidade de mantê-la. Noé também foi absolvido no processo interno do Corpo de Bombeiros neste mês”, afirma.
 
A reportagem entrou em contato com Fabrícia Gouveia, 49, viúva de Ricardo Cayres. Ela não quis comentar sobre a decisão da Justiça em conceder o direito de dirigir para Noé Albuquerque. Contudo, ela destacou que, juntamente com o Ministério Público, “entramos com um recurso para a revisão da decisão sumária de absolvição dele (o bombeiro) e esperamos a resposta da Justiça”.

O acidente 

O caso ocorreu na noite de 30 de abril de 2017, quando três carros saíram de uma marina do Lago Paranoá. O bombeiro Noé conduzia uma Rover Evoque; Fabiana de Albuquerque Oliveira dirigia um Cruze; e Eraldo José guiava um Jetta. A apuração da Polícia Civil indicou que os dois homens participaram de um racha. As vítimas estavam em um Fiesta vermelho. 

Na Ponte das Garças, o Jetta de Eraldo atingiu a traseira do Fiesta. Com a colisão, o veículo das vítimas desgovernou, atingiu uma árvore e capotou diversas vezes. A perícia apontou que o advogado estava a 110km/h na hora da batida. A mãe e o filho mortos no desastre estavam no banco traseiro do Fiesta. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade