Publicidade

Correio Braziliense

TRT-10 determina fim da greve dos metroviários do DF a partir de quinta

Tribunal considerou a paralisação legal, entretanto determinou volta aos trabalhos por falta de acordo entre os trabalhadores e o Metrô-DF. Volta ao trabalho deve ocorrer à 0h de quinta-feira


postado em 16/07/2019 19:15 / atualizado em 16/07/2019 19:58

Fim da greve(foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
Fim da greve (foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
O Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10) determinou que os metroviários deem fim à greve iniciada em 2 de maio. Segundo a decisão, esta quarta-feira deve ser o último dia de paralisação, pois o prazo para a categoria voltar ao trabalho se encerra à 0h da próxima quinta-feira (19/7). O tribunal também decidiu que os dias parados não serão cortados.

A decisão do tribunal ocorre após 75 dias de paralisação dos funcionários do Metrô-DF. Por meio de nota, o TRT explicou que tomou tal medida após um dissídio — ou seja, uma ação coletiva — do Metrô-DF contra os grevistas. Na ação, a empresa apontou esgotamento de tentativas de acordo com os funcionários. 
 
 
Por meio de nota, o Metrô-DF celebrou o fim da paralisação e pontuou que não foram transferidos benefícios coletivos aos empregados durante o tempo de greve. Leia na íntegra:
 
"A direção da Companhia do Metropolitano do DF (Metrô-DF) considerou positiva a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10), que determinou o retorno aos trabalhos, a partir do dia 18/7, dos empregados que estão em greve. Os maiores beneficiados serão os mais de 190 mil usuários diários do transporte, que enfrentam trens lotados e demora na chegada às estações desde o dia 2 de maio.

Esclarece-se que, apesar de a greve não ter sido considerada abusiva, como a maioria dos pedidos do sindicato foram rejeitados, não foi deferido nenhum benefício coletivo aos empregados. O pagamento dos dias não-trabalhados pelos grevistas, apesar de autorizado, não será realizado até trânsito em julgado (conclusão do julgamento) da questão no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em virtude da decisão do presidente do tribunal, ministro João Batista Brito Pereira, que permitiu ao Metrô-DF o desconto dos salários dos que fizerem greve".
 
O Correio tentou entrar em contato com a Secretaria de Comunicação e Mobilização do Sindicato dos Metroviários do DF (Sindmetrô-DF), e aguardava retorno até a última atualização desta matéria.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade