Publicidade

Correio Braziliense

Sem acordo, greve do Metrô-DF continua; TRT-10 julgará paralisação

Categoria se reuniu com empresa em reunião de conciliação na tarde desta segunda-feira (10/6), mas não houve acordo entre as partes


postado em 10/06/2019 18:00 / atualizado em 10/06/2019 18:00

Metroviários e Metrô-DF não entram em acordo e greve continua(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Metroviários e Metrô-DF não entram em acordo e greve continua (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

A greve dos metroviários completou 39 dias nesta segunda-feira (10/6) e a categoria não tem previsão para retomar as atividades. Paralisados desde 2 de maio, os funcionários não conseguiram entrar em acordo com a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô/DF). As duas partes se reuniram nesta tarde, em reunião de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10). 

 

A pedido do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários do DF (SindMetrô/DF), a nova reunião ocorreu com a presença de representante do Governo do Distrito Federal (GDF), a secretária Adjunta de Gestão Administrativa da Fazenda do DF, Jozélia Praça de Medeiros. Em um boletim informativo, o SindMetrô/DF alegou que não houve proposta nem sinalização de possível negociação e que, por isso, a greve continua.

 

Já a companhia informou que “reiterou a aceitação da proposta de suspensão dos descontos dos salários dos funcionários em greve e a devolução dos valores, com a condição de a categoria suspender a manifestação até o fim das negociações", mas que o sindicato não aceitou.

 

O Metrô-DF ingressou, na quinta-feira (6/6), com Dissídio de Greve, solicitando que a Justiça do Trabalho julgue a abusividade ou não do movimento.

 

Como não houve avanços na reunião de hoje, a presidente do TRT-10, desembargadora Maria Regina Machado Guimarãese fixou prazo até a próxima segunda (17) para o sindicato apresentar defesa. Na sequência, os autos deverão ser encaminhados ao Ministério Público do Trabalho (MPT) para emissão de parecer a ser distribuído ao relator.

 

Funcionamento 

 

O funcionamento do serviço mudou desde a suspensão das atividades. O sindicato afirmou que tem cumprido a lei de greve e disponibilizado a quantidade de funcionários necessária para a continuidade da prestação de serviço.

 

Com o objetivo de reduzir os impactos da paralisação, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF) liberou a faixa exclusiva da Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB) para veículos de passeio. Na Estrada Parque Taguatinga (EPTG), também sob responsabilidade do órgão, a circulação não sofreu alterações. Nas vias W3 Sul e Norte e no Setor Policial Sul, o Departamento de Trânsito (Detran) manterá as faixas exclusivas liberadas até o fim da greve.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade