Publicidade

Correio Braziliense

Acusado de matar menina de 5 anos é condenado a 36 anos de prisão

Crime aconteceu no ano passado, na QNO 18, em Ceilândia Norte. Rixa entre gangues rivais motivou crime. Réu agiu com um grupo de adolescentes


postado em 21/08/2019 00:22 / atualizado em 21/08/2019 22:21

Em 21 de maio de 2018, Maria Eduarda foi atingida por três tiros, um deles na cabeça(foto: Arquivo pessoal)
Em 21 de maio de 2018, Maria Eduarda foi atingida por três tiros, um deles na cabeça (foto: Arquivo pessoal)
O Tribunal do Júri de Ceilândia condenou o jovem acusado de matar uma criança de 5 anos, na QNO 18, em maio do ano passado. Walisson Ferreira da Silva terá de cumprir 36 anos, 10 meses e 15 dias de prisão, em regime inicial fechado, pelo assassinato de Maria Eduarda Rodrigues de Amorim; pela tentativa de homicídio do irmão dela, à época com 15 anos; além dos crimes de receptação e corrupção de menores. O julgamento ocorreu nesta terça-feira (20/8).

A Promotoria de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) defendeu que Walisson agiu por motivo torpe, motivado pela guerra entre gangues rivais de Ceilândia, e usou recursos que dificultaram a defesa das vítimas, pois o réu e um grupo de comparsas adolescentes surpreenderam os irmãos em casa.

Em 21 de maio de 2018, algumas horas antes de chegar à casa onde estavam as vítimas, dois adolescentes roubaram um veículo e seguiram ao encontro de Walisson e de outro adolescente. Eles planejaram o ataque em retaliação à morte de um integrante do grupo a que pertencia o acusado. 

Eles pararam o carro em frente à residência das vítimas e atiraram diversas vezes. Os disparos atingiram Marcos André e Maria Eduarda. O mais velho foi atingido na perna; a menina levou três tiros, um deles na cabeça. Walisson e os adolescentes fugiram do local. 

Uma semana após o crime, agentes da 24ª Delegacia de Polícia (Setor O) apreenderam três adolescentes suspeitos de assassinar a garota. Walisson era o único adulto entre os supostos responsáveis pela morte da garota. Por envolver pessoas com menos de 18 anos, o processo corre sob segredo de Justiça.

Advogado de defesa de Walisson, Rafael Vasconcelos de Oliveira afirmou que, por enquanto, não comentará a decisão, uma vez que ainda conversará com o cliente para decidir acerca da possibilidade de recurso. 

Com informações do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade