Publicidade

Correio Braziliense

Antes de ser preso, assassino de Pedrolina fez ataque no Lago Sul

Estudante de 20 anos afirma que João Marcos Vassalo passou as mãos nas partes íntimas dela, em uma parada de ônibus. Para não ser abusada, ela correu


postado em 10/09/2019 08:09 / atualizado em 10/09/2019 09:41

João Marcos Vassalo confessou ter estuprado e matado Pedrolina Silva, em 1º de setembro(foto: PCDF/Reprodução)
João Marcos Vassalo confessou ter estuprado e matado Pedrolina Silva, em 1º de setembro (foto: PCDF/Reprodução)

Uma nova suposta vítima de João Marcos Vassalo da Silva Pereira, 20 anos, procurou a 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá). A estudante de 26 anos afirma que o assassino confesso de Pedrolina Silva, 50, tentou abusar sexualmente dela em uma parada de ônibus da Quadra 26 do Lago Sul, na terça-feira (3/9). Após a tentativa frustrada, o homem fugiu. Contudo, ele acabou preso no mesmo dia, pela Polícia Militar.

 

Em depoimento à polícia, a mulher contou que estava aguardando o ônibus para casa, no Paranoá, quando viu João Marcos saindo de um matagal em frente ao ponto de coletivo. No momento, ela teve a impressão de que ele estava escondido e, por medo, se levantou do banco onde se sentava. 

 

Como o suspeito teria sentado na parada, a jovem pensou que ele também aguardava por um ônibus e voltou a se sentar, mas ao lado oposto ao de João. Em alguns minutos, ela percebeu que as intenções do homem eram diferentes.  Ele se deslocou até um banco ao lado da vítima e passou as mãos pelas partes íntimas da garota.

 

A estudante se voltou a João, que alegou estar "caindo" e, por isso, se segurou nela. Assustada, a garota se levantou e viu o jovem tocando nas partes íntimas dele. Ela saiu correndo até um comércio local e, dali, viu o suspeito abordar uma vendedora de marmitas que estava fazendo ponto na parada de ônibus. 

 

Ele também tentou abordar a segunda mulher, com as mãos nas partes íntimas. A vendedora começou a gritar por socorro, chamando a atenção de algumas pessoas. Assim, João foi embora, correndo. Quando a estudante retornou à parada, confirmou com a outra garota que João tinha tentado atacá-la.

 

A jovem reconheceu o assassino confesso após as reportagens noticiando o estupro e a morte de Pedrolina Silva. O homem jogou o corpo da assistente social às margens do Lago Paranoá. A ocorrência da estudante foi registrada como importunação ofensiva ao pudor, na sexta-feira (6). Apesar do depoimento ter sido feito na 6ª DP, a apuração do crime ficará a cargo da 10ª DP (Lago Sul).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade