Publicidade

Correio Braziliense

CBMDF afirma que Marizelli recebeu descarga elétrica antes de falecer

Corporação divulgou nota de esclarecimento. Ressaltou, porém, que apenas um laudo médico poderá indicar os fatores determinantes para a morte da bombeira


postado em 18/09/2019 16:26 / atualizado em 18/09/2019 17:55

Marizelli ingressou no Corpo de Bombeiros em 2018(foto: Reprodução/Instagram)
Marizelli ingressou no Corpo de Bombeiros em 2018 (foto: Reprodução/Instagram)
O Corpo de Bombeiros do DF divulgou, nesta quarta-feira (18/9), uma nota de esclarecimento em que afirma que a soldado Marizelli Armelinda Dias, 31 anos, sofreu uma descarga elétrica antes de falecer no domingo (15/9). A bombeira morreu depois de ser atingida por uma árvore e por fios de alta tensão. Contudo, não havia, até o momento, a confirmação de que ela havia recebido uma descarga elétrica.

Segundo a corporação, a rede operava em 13,4 mil volts, mas não foi possível precisar qual a voltagem da descarga elétrica que atingiu Marizelli, tampouco a duração do choque. Após a queda da árvore, a equipe que estava no local solicitou apoio da Companhia Energética de Brasília (CEB), uma vez que havia risco de eletrocussão para quem se aproximasse.
 
"Diante dessas condições, a orientação é supor que o local esteja energizado. Ter outros militares feridos pioraria um quadro já ruim", diz o CBMDF. "Não temos como informar o tempo de resposta para a chegada da CEB ao local, porém não acreditamos ter sido excessivo", acrescenta a corporação.

Os sinais vitais de Marizelli foram restabelecidos no local do acidente. Depois, a vítima foi transportada ao Hospital Regional de Ceilândia (HRC), onde passou por exames e apresentou outras paradas cardíacas que foram revertidas. A equipe médica declarou o óbito por volta das 17h. 
 
Ainda conforme os bombeiros, a morte da militar decorreu de um quadro de múltiplas fraturas e sucessivas paradas cardíacas devido às lesões sofridas. "Apenas um laudo médico poderá indicar exatamente quais os fatores determinantes para que se tenha, infelizmente, chegado a essa condição fatal", afirma o CBMDF na nota.

A corporação destaca que a segurança dos militares é prioridade, que a equipe avaliou os risco e maneira de minimizá-los na operação e que Marizelli usava todos os equipamentos de proteção no momento do acidente. ”Neste evento fatídico, todas as medidas foram tomadas, porém a definição se uma, entre centenas de árvores poderia ou não cair seria extremamente complexa e inviável de ser feita. Diante da improbabilidade de algo assim ocorrer, as guarnições optaram pelo combate as chamas.” 

Por fim, o CBMDF diz que "instaurará um procedimento administrativo para elucidar todas as circunstâncias nas quais esse acidente ocorreu e suas consequências" e que a soldado Marizelli será promovida a graduação de Cabo por ter falecido durante missão.
 

Relembre o caso 

A bombeira Marizelli Armelinda Dias foi atingida por uma árvore e por um fio de alta tensão, não resistiu aos ferimentos e morreu por volta das 17h do último domingo (15/9). Integrada à corporação em 2018, Marizelli, 31 anos, trabalhava no combate a um incêndio em uma mata na QNL 02, em Taguatinga, de manhã. 

 

*Estagiária sob supervisão de Fernando Jordão 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade