Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Civil conclui mais seis inquéritos de acusações contra Marinésio

Além da morte da advogada Letícia Curado, 26 anos, Marinésio deve responder por mais seis acusações. Entre elas está estupro, tentado e consumado, e uma tentativa de homicídio


postado em 19/09/2019 12:27 / atualizado em 19/09/2019 14:06

Apuração da 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina) aponta que Marinésio teria feito oito vítimas, contando com a advogada Letícia Curado(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Apuração da 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina) aponta que Marinésio teria feito oito vítimas, contando com a advogada Letícia Curado (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Agentes da 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina) concluíram sete inquéritos contra o cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto, 41 anos. Além do assassinato da advogada Letícia Curado, 26, ele responderá por mais seis acusações. Entre elas estão estupro, consumado e tentado e tentativa de homicídio. Além disso, os investigadores descartaram duas ocorrências e mantêm outras duas sob investigações. 

Apuração da 31ª DP aponta que Marinésio teria feito oito vítimas, contando com Letícia. Para esses casos, foram abertos sete inquéritos, já que em uma das ocorrências as mulheres alvos do cozinheiro estavam juntas. O delegado Veluziano de Castro Salgado informou que todos registros foram remetidos à Justiça ao longo desta semana. 

Ao todo, Marinésio é acusado de cinco tentativas de estupros, três estupros, um homicídio quintuplamente qualificado e um homicídio tentado. "Tudo leva a crer que ele praticava crimes em série. Todas as ações foram deliberadas e algumas premeditadas", explicou o investigador. 

Segundo a investigação, todas vítimas são mulheres com idades entre 18 anos e 50 anos. O crime mais antigo remetido à Justiça aconteceu em 2013, caso de uma mulher de 39 anos que teria sido estuprada em Sobradinho. 

Investigações 

Um dos casos ainda em investigação é o de Carolina Macedo Santos, 15 anos, encontrada morta no Lago Paranoá em 17 de maio de 2018 com sinais de estrangulamento. Após a prisão do cozinheiro, os policiais passaram a suspeitar que Marinésio poderia ter matado a adolescente, já que ela era vizinha dele. 

A suspeita partiu da 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul), que cuidava do caso. Agora, ele é apurado pela 31ª DP. O outro caso ainda em apuração, é de um estupro em Planaltina. A vítima teria entrado no carro dele na Rodoviária do Plano Piloto e seguido para a região administrativa, onde ocorreu o crime.
 
No dia da prisão de Marinésio, em 24 de agosto, os policiais apreenderam as roupas que ele usava no momento do assassinato de Letícia. O cozinheiro usava uma chuteira, que estava suja de sangue. Além disso, foi encontrado sémen na bermuda do acusado. Todo material genético ainda passa por análise.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade