Publicidade

Correio Braziliense

Mulher achada morta no domingo foi vítima de feminicídio, afirma polícia

O corpo da mulher foi encontrado no domingo, perto de uma vala de esgoto em Ceilândia. Ela e o companheiro, apontado com autor do crime, viviam em situação de rua


postado em 19/09/2019 13:39 / atualizado em 19/09/2019 15:14

(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
Agentes da 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Centro) solucionaram o caso da mulher encontrada morta no domingo (15/9), na EQNN 1/3, próximo a uma canaleta de esgoto. Segundo os agentes, Graizielle Feitoza de Carvalho, 31 anos, foi vítima de feminicídio, tendo sido esfaqueada pelo companheiro, de 35 anos. Eles viviam em situação de rua e faziam uso abusivo de crack.

A motivação do crime, ainda segundo os policiais, seriam os programas que a vítima realizava para obter renda. De acordo com o delegado Antônio Dimitrov, chefe da 15ª DP, este 22º feminicídio difere de outros casos no Distrito Federal — o levantamento dos casos foi realizado pelo Correio.

"Não se trata de um crime em que a vítima era submetida constantemente à situação de violência, como nas demais fatalidades. O companheiro de Graizielle tinha noção dos programas dela, mas, a partir de um momento, não aceitou mais. É uma tragédia, ocorrida da paranoia que o crack estimula na mente dos viciados", avalia. 

Relato da mãe do autor

O investigador também esclarece que não há testemunhas oculares do assassinato, mas relatos de quem conhecia o casal. "Conseguimos apurar que, quando o casal não estava pelas ruas, iam para a casa da mãe do agressor, no Sol Nascente. Mesmo muito emocionada, ela contou a situação de vulnerabilidade deles e disse que tentou colocá-los na reabilitação, mas não teve sucesso”, acrescenta Dimitrov. 

"Além da mãe do autor, também temos depoimentos de testemunhas do convívio social do casal que sustentam a tese de feminicídio. O inquérito será finalizado nos próximos dias e será entregue à Justiça. Também representaremos pela prisão preventiva do suspeito”, finaliza o delegado. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade