Publicidade

Correio Braziliense

Embaixada da Venezuela em Brasília é invadida por representantes de Guaidó

Em comunicado, a embaixadora do país diz que funcionários do local reconheceram Juan Guaidó como presidente da Venezuela


postado em 13/11/2019 08:35 / atualizado em 13/11/2019 12:27

Ver galeria . 31 Fotos  Ana Rayssa/CB/D.A Press
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press )
Um grupo de aproximadamente 15 pessoas, composto por brasileiros e venezuelanos, invadiu a Embaixada da Venezuela na 803 Sul, em Brasília, na manhã desta quarta-feira (13/11). A ação é encabeçada pelo engenheiro venezuelano Alberto Palombo, que reconhece Juan Guaidó como o presidente do país. Das 15 pessoas, duas foram expulsas por apoiadores de Nicólas Maduro e estão do lado de fora, inclusive Palombo.

Em nota, a embaixadora Maria Teresa Belandria Expósito diz que a ação foi imediatamente comunicada ao Ministério das Relações Exteriores (MRE). "Eles começaram a abrir as portas e entregar voluntariamente a sede diplomática à representação legitimamente credenciada em Brasil", diz.

 

Em contato com o governo brasileiro, a embaixadora diz que tenta mediar com as autoridades a melhor maneira para solucionar o caso. A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foi acionada e está no local, mas como se trata de representação diplomática, não retirou ninguém do local.

O líder do PT na Câmara, o deputado Paulo Pimenta, está no local e fez registro em vídeo no local (veja abaixo). De acordo com o parlamentar, houve conflito. "Uma situação bastante tensa aqui na Embaixada", diz. Um representante do Itamaraty chegou para tentar negociar com os invasores.


"Funcionários da Embaixada que trabalham para o Maduro mudaram de lado e deixaram os portões abertos. Nós não invadimos", disse o engenheiro Alberto Palombo. No entanto, o deputado Paulo Pimenta afirma que o grupo pulou os portões. Esquerdistas gritam "Gaidó é narcotraficante, fascista". Em outros momentos gritam o nome de Maduro.

 

A jornalista Juliana de Andrade, correspondente da Telesur, está dentro da embaixada e disse que, em uma reunião, funcionários do MRE disseram que a invasão foi encabeçada pelo Ministério. Segundo ela, o grupo está ameaçando crianças e mulheres lá dentro e que ela foi agredida por um homem.

Em nota, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) disse que o governo brasileiro e o presidente "jamais tomou conhecimento e, muito menos, incentivou a invasão". O Texto também diz que as forças de segurança, da União e do Distrito Federal, estão tomando providências para que a situação se resolva pacificamente e retorne à normalidade. "Como sempre, há indivíduos inescrupulosos e levianos que querem tirar proveito dos acontecimentos para gerar desordem e instabilidade", diz o GSI.


Filho do presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro publicou um vídeo gravado pelo diplomata Tomás Silva na embaixada. Silva reafirmou que os funcionários da embaixada reconheceram Juan Guaidó como presidente venezuelano. “Estamos felizes, estamos contentes.” O diplomata também convocou o povo venezuelano para um grande protesto nacional contra Nicolás Maduro marcado para o próximo sábado (16/11).



Procurado pelo Correio, o Itamaraty ainda não se pronunciou oficialmente sobre a situação.

Bate-boca e prisões

No fim da manhã, manifestante à favor e os contra a invasão bateram boca na porta da embaixada. Houve alguns confrontos, inclusive com troca de socos. A PMDF prendeu quatro pessoas na confusão. Eles foram levados para à 5ª DP.

Esquema de segurança para o Brics

A confusão ocorre mesmo com o esquema de segurança montado para o encontro da cúpula dos Brics, no Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty). Em terra, a Esplanada dos Ministérios tem a entrada de automóveis restrito para autoridades envolvidas no evento e o acesso a diversos prédios interditado. Pelo ar, 40 aeronaves vão patrulhar os céus prontas para repelir qualquer ameaça. Ao todo, 1.600 militares vão participar da operação de defesa área.

Chefes de Estado de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul se reúnem na capital nesta quarta-feira (13/11) e quinta-feira. Servidores públicos terão ponto facultativo, na quinta e na sexta-feira, nas unidades administrativas federais localizadas na Esplanada dos Ministérios. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, também decretou ponto facultativa para os servidores do GDF

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade