Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Civil faz buscas por Bernardo, menino que pai diz ter matado

Aos investigadores, o pai do garoto, Paulo Roberto Caldas Osório, 45 anos, informou que matou o próprio filho e o jogou em uma estrada


postado em 04/12/2019 14:22 / atualizado em 05/12/2019 18:13

Um helicóptero da Polícia Civil ajuda nas buscas pelo menino(foto: PCDF/Divulgação)
Um helicóptero da Polícia Civil ajuda nas buscas pelo menino (foto: PCDF/Divulgação)
Agentes da Divisão de Repressão a Sequestros (DRS) continuam as buscas pelo menino Bernardo, de 1 ano e 11 meses, sequestrado pelo pai na sexta-feira (29/11). Apesar de o pai ter dito que matou a criança, a polícia ainda não confirma a morte, por não ter localizado o corpo

Após sumir com o garoto, Paulo Roberto Caldas Osório, 45 anos, foi preso na segunda-feira (2/12), em Alagoinhas (BA)informou ter assassinado o garoto com medicamentos e descartado o corpo do garoto em um trecho da BR-020, caminho que ele usou para chegar à Bahia.  

Os investigadores acompanharam Paulo Roberto até o local onde ele teria descartado o corpo, mas ele disse não se lembrar do lugar exato. Os agentes estabeleceram perímetro de 100km e usam o helicóptero da corporação para fazer as buscas.

Após ser preso, o suspeito teria dito que estava chovendo no momento em que jogou o corpo do filho do veículo, junto com a cadeirinha.  

O delegado à frente do caso, Leandro Ritt, suspeita que Paulo possa ter mentido sobre o local de descarte do corpo para prolongar o sofrimento da família.

“Em uma conversa com a mãe do menino, ele disse que eles nunca mais o veriam”, ressaltou o policial. De acordo com o investigador, caso o suspeito realmente tenha matado a vítima, ele pode responder por homicídio triplamente qualificado, além de ocultação de cadáver.

Ver galeria . 6 Fotos Arquivo pessoal
(foto: Arquivo pessoal )

  

Mãe tem esperança 

Em entrevista ao Correio, a mãe de Bernardo, a advogada Tatiana da Silva Marques, disse que a ficha dela ainda não caiu e que “está apegada a um fio de esperança” de que o filho ainda seja encontrado com vida. “Estou tentando me manter forte pela minha família”, disse.  

De acordo com ela, Paulo levaria Bernardo para a casa dela na sexta, entretanto, desapareceu. A advogada relata que namorou o suspeito por um tempo, mas que não chegou a se casar com ele.

“Nunca tivemos problemas ou brigas, sempre tentamos ajudá-lo. A única vez que nos desentendemos foi quando entrei na Justiça por causa da pensão”, afirma.
  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade