Publicidade

Correio Braziliense

Justiça concede liberdade a motorista embriagada que atropelou ciclista

Condutora de 24 anos estava sem CNH, teve embriaguez comprovada por bafômetro e foi presa em flagrante


postado em 27/01/2020 08:06 / atualizado em 27/01/2020 09:15

Bicicleta de ciclista atingido pela motorista(foto: Reprodução/PCDF)
Bicicleta de ciclista atingido pela motorista (foto: Reprodução/PCDF)
motorista que atropelou um ciclista enquanto dirigia sem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e alcoolizada teve liberdade provisória concedida pela Justiça. Luzia Ferreira de Assis, 24 anos, passou por audiência de custódia no último domingo (26/1). A juíza que analisou o caso, Luciana Gomes Trindade, considerou que a conduta “não evidenciou periculosidade exacerbada da autora”.

Nos autos, a magistrada declarou que “o fato é abstratamente grave”, e ressaltou o histórico da motorista. “Entendo que a conduta em si não causou significativo abalo da ordem pública nem evidenciou periculosidade exacerbada da sua autora, de modo a justificar sua segregação antes do momento constitucional próprio. Além disso, este possui diversas condições pessoais favoráveis, como o fato de ser primário e possuir bons antecedentes, a existência de residência fixa com confirmação do endereço a ser realizada perante o Juízo natural da causa e trabalho lícito”, escreveu.

A juíza finalizou afirmando que “não há indicativos concretos de que (a motorista) pretenda furtar-se à aplicação da lei penal, tampouco que irá perturbar gravemente a instrução criminal”, entendendo que “a liberdade provisória é a medida adequada à situação em apreço”. O Correio entrou em contato com a Defensoria Pública do Distrito Federal, que realizou a defesa da acusada, e aguarda retorno. 

Também foi contatada a Polícia Civil para verificar o resultado do teste de bafômetro da motorista, mas a PCDF não informou o dado. "Foi lavrado o auto de prisão em flagrante em desfavor da condutora do veículo pela prática do crime de homicídio doloso tentado. Para a autoridade policial de plantão, a autuada assumiu o risco de matar a vítima ao conduzir um veículo automotor na chuva, com os pneus carecas, sendo inabilitada e após fazer o consumo de bebida alcóolica", declarou, em nota, a Divisão de Comunicação da Polícia Civil (Divicom).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade