Cidades

Licitação para revitalização das quadras 513/514 Sul será em 25 de março

As obras para a revitalização das quadras 513/514 Sul fazem parte da terceira etapa do cronograma estabelecido para a região

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 09/03/2020 12:25
As quadras também passarão por troca dos pisos das calçadasAs obras de revitalização das quadras 513/514 Sul já têm data prevista para licitação: 25 de março. As quadras passarão por readequação do sistema viário com estacionamentos e acessibilidade. Além disso, serão feitos paisagismo, recuperação dos becos entre os blocos, troca dos pisos das calçadas e obras complementares de drenagem e sinalização. O orçamento previsto é de R$ 3,2 milhões.

De acordo com o secretário de Obras, Luciano Carvalho, a revitalização das quadras 513/514 Sul marca a terceira etapa do cronograma de obras estabelecido para a região.

Um dos destaques do projeto é a recuperação total das calçadas, que passará a ser única com piso igual em toda extensão, sem desníveis e totalmente adequada para o trânsito de pessoas.

Revitalização da W3

Em janeiro deste ano, a Secretaria de Estado e Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) divulgou a conclusão das obras de revitalização na W3 Sul nas quadras 511 Sul e 512 Sul. O projeto é uma das promessas de campanha do governador Ibaneis Rocha (MDB). A previsão é de que toda via passe por obras até 2022.
As obras começaram no ano passado, em abril. Entre as alterações nas quadras estavam a pintura de vagas de estacionamento, a instalação de postes, de lixeiras e de vasos de plantas, a revitalização de pisos, entre outros. A Secretaria de Obras e a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) também participou das ações.

Trânsito de pedestres

Para estimular , a largura mínima estabelecida nas calçadas voltadas à W3 Sul foi de 2 metros de largura. Nas vias laterais, foi determinada largura de 1,2 metro.
Na faixa de serviço, mais próximo da pista, foram instalados poste com iluminação de LED, suportes para bicicletas (paraciclos), lixeiras e vasos de plantas. O piso em pedras portuguesas foi mantido. Nas faixas livres e de acesso, no entanto, a pavimentação foi substituída por concreto.
O acesso às faixas de pedestres foi inclinado para atender normas de acessibilidade universal. O paisagismo, por sua vez, adotou a espécie Physocalymma scaberrimumI, popularmente chamada de pau-de-rosas ou cega-machado.

Com informações da Agência Brasília

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação