Cidades

Coronavírus: piora o quadro de saúde de paciente internada no Hran

Secretaria de Saúde informou que a mulher apresenta síndrome respiratória aguda severa, com piora do quadro respiratório e 'um pico febril'. O quadro é considerado instável

Walder Galvão
postado em 10/03/2020 14:41
A paciente está isolada na UTI do Hospital Regional da Asa Norte (Hran)A mulher de 52 anos diagnosticada com o novo coronavírus apresentou piora no estado de saúde. Segundo informações da Secretaria de Saúde, nesta terça-feira (10/3), a paciente apresenta síndrome respiratória aguda severa, com piora do quadro respiratório e ;um pico febril;. Além disso, o quadro dela passou a ser considerado instável. Ela está isolada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) desde sexta-feira (6/3)

De acordo com a pasta, ela continua com suporte ventilatório e hemodinâmico, que monitora pressão arterial, frequência cardíaca e respiratória e saturação periférica de oxigênio.Na segunda-feira (9/3), boletim divulgado pela Secretaria de Saúde informou que a paciente estava estável e com melhora no quadro de saúde, apesar de ainda ser um caso grave.

A mulher tem comorbidades (quando duas doenças afetam alguém) que agravam o quadro clínico e está sob cuidados intensivos de uma equipe multidisciplinar e de todo suporte técnicocientífico da unidade de saúde. A paciente recebeu diagnóstico da doença na quinta-feira (5/3), um dia após dar entrada no Hospital Daher, no Lago Sul. Em 26 de fevereiro, ela chegou no Distrito Federal após uma viagem à Suíça e à Inglaterra.

Na sexta (6/3), a pasta decidiu pela transferência dela para a rede pública de saúde. Inicialmente, ela estava isolada na enfermaria da unidade, entretanto, após apresentar piora do quadro clínico, precisou ser levada à UTI.

Marido recusa exames

Nesta terça, a Justiça decidiu acatar pedido da Procuradoria-geral do DF e determinou que o marido da paciente com Covid-19 seja obrigado a se submeter a exame que possa indicar se ele tem a doença.O homem se recusava a fornecer material para avaliação e a Justiça precisou intervir. Segundo a Secretaria de Saúde, ele já passou pela análise em um laboratório particular e o resultado fica pronto hoje (10/3).

A juíza Raquel Mundim Moraes Oliveira Barbosa determinou ainda que o homem, um advogado de 45 anos, permaneça isolado em casa, de quarentena, até que o resultado do exame seja avaliado, sob pena de pagamento de multa de R$ 5 mil por descumprimento. O limite da penalidade arbitrada pela magistrada é R$ 20 mil.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação