Publicidade

Correio Braziliense

Coronavírus: Setor funerário do DF teme falta de EPIs para funcionários

De acordo com o presidente do Sindicato das Empresas Funerárias do DF, o preço dos materiais está alto e a oferta, pequena


postado em 03/06/2020 13:14 / atualizado em 03/06/2020 17:45

Apesar da preocupação em relação aos equipamentos de proteção, o setor está com estoque de caixões abastecido(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Apesar da preocupação em relação aos equipamentos de proteção, o setor está com estoque de caixões abastecido (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
O setor funerário do Distrito Federal teme a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os funcionários. De acordo com o presidente do Sindicato das Empresas Funerárias do DF (Sindesf-DF), Felismino Alves, o preço dos materiais tem preocupado a categoria. “Subiu muito e diminuiu a oferta, porque agora, mais que nunca, a procura é grande. Estamos fazendo de tudo para manter”, disse.

Apesar da preocupação em relação aos equipamentos de proteção, o setor está com estoque de caixões abastecido. “Não temos problemas com isso. O DF está muito próximo dos fornecedores, que ficam em Minas Gerais e São Paulo. Embora o número de óbitos por coronavírus tenha aumentado, as urnas não preocupam o setor ”, afirma Felismino.

O representante da categoria ressalta que o segmento está obedecendo todas as orientações exigidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “O DF está entre as cidades com menor número de óbitos e esperamos que isso diminua ainda mais e que esse pico venha logo. Não queremos que mais famílias tenham o desabor de perder um ente querido”, completa o presidente do Sindesf-DF.
 
O temor da falt de EPIs para os funcionários do setor vem junto com o aumento do número de casos no DF. O número de mortespor dia aumentou depois depois da reabertura do comércio e deve seguir em alta com reabertura de parques e locais de culto. Até agora, são 164 mortos pela covid-19 no DF e mais de 11 mil contaminados. As UTIs da rde privada estão com 80% de ocupação e as da rede pública chegam a quase 50%. 

Contêiner

Na semana passada, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF) instalou estruturas especiais refrigeradas para auxiliar no fluxo dos óbitos por covid-19 em hospitais públicos da capital. Essa medida visa respeitar a dignidade das vítimas e isolá-las de forma segura até as famílias adotarem todas as providências necessárias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade