Cidades

Setor de eventos elabora protocolo para reaberturas no DF

Documento apresenta propostas de retomada gradual de eventos presenciais a partir de índices de saúde pública

Alan Rios
postado em 08/07/2020 10:28
 (foto: JOAQUIN SARMIENTO)
(foto: JOAQUIN SARMIENTO)
Na fase atual, em que mais de 70% dos leitos públicos de UTI estão ocupados, protocolo prevê apenas eventos on-line e em formato drive-inEntidades do comércio e do setor de eventos do Distrito Federal enviaram ao governo uma proposta de reabertura gradual na capital. O documento prevê detalhes de protocolos específicos para o momento de pandemia do novo coronavírus, que intercalam retornos com dados da saúde pública.

Na prática, a sugestão das entidades é escalonar a retomada de eventos no DF em quatro fases, cada uma delas levando em consideração índices como a taxa de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) e a taxa de transmissão do vírus. Por exemplo, na primeira fase, que é a atual, só serão permitidos eventos on-line e em formato drive-in, pois mais de 70% dos leitos de UTI públicos estão ocupados.

Na segunda fase, sugerida após essa taxa de ocupação chegar a um nível inferior a 70%, também seriam permitidos eventos técnicos, científicos e culturais presenciais em ambientes para até 200 pessoas. A liberação total de eventos seria possível na fase quatro, quando a ocupação de leitos continuar menor que 70%, o índice de transmissibilidade for abaixo de 1,0 ; quando cada pessoa infectada contamine em média menos de uma pessoa ; e esses critérios se mantenham por, no mínimo, 15 dias.

Toda fase prevista no protocolo, porém, deve seguir ;prerrogativas mínimas de segurança;, como estipulado no documento. Entre elas, estão o uso obrigatório de máscaras, o distanciamento de 1,5 metros entre veículos de eventos em drive-in, a alimentação por delivery, take out ou consumo no local com distanciamento mínimo e a utilização de apenas 70% da capacidade do espaço, por exemplo.

O protocolo foi elaborado em parceria entre a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), o Sindicato das Empresas de Promoção, Organização, Produção e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos do DF (Sindeventos), a Câmara Empresarial de Economia Criativa, a Associação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC) e o - Instituto Brasiliense de Fornecedores Certificados em Eventos Sociais (IBRAFE).

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação