Cidades

Após autorização da Justiça, comércio segue funcionando

Depois de sucessivos decretos e decisões judiciais que deixaram os clientes e proprietários de estabelecimentos confusos, comércio volta ao funcionamento

Mariana Machado, Tainá Seixas
postado em 10/07/2020 15:37
 (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
Salões em Sobradinho colocaram placas nas portas alertando para o uso de máscara e álcool em gelCom o comércio autorizado a funcionar novamente, após a Justiça acatar ao recurso do Governo do Distrito Federal na noite de quinta-feira (9/7), salões e academias também voltam a funcionar. Contudo, para manter as portas abertas, são necessárias adequações. Academias, por exemplo, não podem utilizar catracas com biometria, e salões devem afastar as cadeiras de atendimento em dois metros.
Na manhã desta sexta-feira (10/7), a reportagem percorreu as áreas comerciais do Sudoeste, Sobradinho, e Plano Piloto e observou o processo de adaptação. No Plano, o clima ainda é de incerteza entre os comerciantes. Muitos destes estabelecimentos permanecem fechados mesmo após a liberação.
[SAIBAMAIS]A academia Acuas Fitness, localizada na Asa Sul, precisou mudar o planos de reabertura. Depois de ter programado abrir as portas na próxima segunda-feira (13/7), a gerência do estabelecimento suspendeu novamente a reabertura.
;A gente vai ter que refazer o retrabalho de marketing, ligar pros cliente, mandar e-mail, colocar nas redes sociais. É um retrabalho que a gente faz a cada novo decreto;, argumenta Fabíula Magalhães, gerente do estabelecimento. ;Fica essa confusão e o cliente também não sabe ao certo o que vai acontecer. A gente está à mercê do poder executivo para poder liberar.;
Na quadra 300 do Sudoeste, área repleta de salões de beleza, a maioria dos estabelecimentos continuava de portas fechadas nesta sexta-feira (10/7). Depois de ficar fechado por quatro meses, o salão de José Felix, 57 anos, reabriu na quarta-feira (8/7) e suspendeu as atividades no dia seguinte. ;Isso gera uma instabilidade e uma incerteza muito grande. Pra nós, é complicado porque são muitas expectativas não só dos clientes, mas também dos funcionários.;
José retomou as atividades nesta sexta, seguindo todas as normas estabelecidas de proteção. Após desinfecção das calçados na porta da loja, o cliente precisa higienizar as mãos com álcool fornecido pelo estabelecimento.
As cadeiras estão dispostas segundo as normas de segurança para não superlotar o ambiente, todos os funcionários usam equipamento de segurança e o atendimento somente é feito com agendamento. ;Nós estamos conscientes de que a reabertura tem que ser programada e responsável;, afirma o dono.
Em Sobradinho, muitas academias estavam fechadas, enquanto outras passam por reformas para atender às normas do decreto que autorizou o retorno dos serviços. Nos salões de beleza, portas semiabertas, mas funcionários trabalhando de máscaras e face shields. Nos balcões, álcool em gel disponível para os clientes.
Na área central de Sobradinho 2, a população cumpria também a obrigatoriedade do uso de máscaras. Em zonas mais periféricas, no entanto, muitos ainda insistem em descumprir a lei. Na Vila Rabelo, foram vários os flagrantes de pessoas sem máscaras, ou quaisquer cuidados de prevenção contra o coronavírus.

Entenda

Em 2 de julho, o governador Ibaneis Rocha publicou o decreto de n; 40.939, autorizando que academias e salões de beleza pudessem reabrir em 7 de julho, e bares e restaurantes, em 15 de julho. Além disso, instituições de ensino da rede particular poderiam voltar a funcionar em 27 de julho, e da rede pública, em 3 de agosto.
Foi então que a Justiça suspendeu a decisão e deu prazo de 24 horas para que o governo editasse o decreto. Ibaneis entrou com recurso e foi atendido na noite de quinta-feira (9/7). Com isso, o decreto voltou a valer.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação