Publicidade

Correio Braziliense

Covid-19: Hran tem 100% de ocupação e não há leitos de UTI disponíveis

Atualmente, a unidade conta com 20 leitos para tratamento da doença, que estão ocupados. Secretaria de Saúde confirma a situação e informa que prepara uma adequação para liberar 21 novos leitos


postado em 11/07/2020 15:18 / atualizado em 11/07/2020 15:19

O Hran está com todos os 20 leitos para tratamento na UTI ocupados(foto: Material cedido ao Correio)
O Hran está com todos os 20 leitos para tratamento na UTI ocupados (foto: Material cedido ao Correio)
Com 67.912 pessoas contaminadas pelo novo coronavírus no Distrito Federal, a maior parte curada, os leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) para o tratamento da doença do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) estão com 100% do ocupação. Os dados são da Sala de Situação, plataforma da Secretaria de Saúde (SES-DF) utilizada para informar a situação da ocupação dos leitos das redes hospitalares da capital. A última atualização da página ocorreu às 13h05 deste sábado (11/7).

 

Atualmente, o Hran conta com 20 leitos de UTI para atender os pacientes mais graves. O hospital também conta com mais 31 vagas para tratamento na unidade de cuidados intermediário (UCI), sendo que 19 já estão ocupados. Ou seja, sobram apenas 12 vagas para novos doentes. O local é referência para o tratamento do novo coronavírus na capital federal.

 

Pacientes são atendidos em poltronas e recebem medicação enquanto aguardam por um leito na unidade(foto: Material cedido ao Correio)
Pacientes são atendidos em poltronas e recebem medicação enquanto aguardam por um leito na unidade (foto: Material cedido ao Correio)
 

 

O Correio recebeu imagens da situação do Hospital Regional da Asa Norte, que mostram a lotação da unidade. Pessoas aguardam atendimento para tratamento de covid-19 sentadas em poltronas pela recepção, e aguardam por leitos na área de medicação. 

 

Em nota oficial, a Secretaria de Saúde confirmou a situação. "A direção do Hran informa que novos pacientes e aqueles oriundos de outras unidades hospitalares e que necessitam de internação, ao chegarem, são acomodados em poltronas enquanto é disponibilizado um leito no pronto-socorro ou nas enfermarias", explica o texto. 

 

"Havendo necessidade, o paciente já recebe oxigênio ainda sentado, ou seja, o paciente não deixa de ser atendido. A direção esclarece que já está preparando uma adequação para abrir 21 leitos novos, usando a antiga área de recepção do pronto-socorro", finaliza a nota enviada pela pasta. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade