Cidades

Estudante picado por naja segue internado e deve ter alta nesta segunda

Polícia está na expectativa da alta para poder ouvir o estudante ainda esta semana

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 13/07/2020 12:27
Os investigadores aguardam Pedro ser liberado para que esclareça de onde veio a najaPedro Henrique Lehmkuhl, 22 anos, segue internado no Hospital Maria Auxiliadora, no Gama. O jovem ficou em coma depois de ser internado por ter sido picado por uma naja kaouthia no apartamento onde mora, no Guará 2, na última terça-feira (7/7). Ele recebeu uma dose do único soro antiofídico produzido no Brasil, cedido pelo Instituto Butantan, em São Paulo. Após responder bem aos tratamentos, a previsão é que ele deixe o hospital ainda hoje.

A expectativa dos investigadores é que Pedro possa ser ouvido ainda esta semana. Eles esperam que o jovem esclareça como teria conseguido o animal que o picou e outras questões. Na sexta-feira (10/7), três amigos de Pedro compareceram à 14;DP (Gama) e conversaram com o delegado responsável pelo caso. Entre eles, o jovem que soltou a naja próximo ao shopping Pier 21.

A suspeita é de que o grupo esteja envolvido em um esquema nacional de tráfico de animais. Além da naja, a Polícia Militar Ambiental (BPMA) encontrou outras 16 serpentes em uma espécie de criadouro no Núcleo Rural Taquara, em Planaltina. O local pertence a um dos amigos de Pedro.
[SAIBAMAIS]Ainda na sexta-feira (10/7), agentes da Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística (Dema) encontraram três tubarões, sete serpentes, uma moreia e um lagarto teiú em uma chácara na Colônia Agrícola Samambaia. A polícia apura a ligação entre os animais e o estudante que foi picado.

Já no sábado (11/7), os agentes capturaram uma jiboia arco-íris, em um apartamento vazio no Guará 2. O dono, um servidor do Judiciário, é pai de um dos amigos de Pedro, o mesmo que ocultou as 16 serpentes e soltou a naja próximo ao Pier 21.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação