Cidades

Águas Claras: vítima de feminicídio era funcionária do Ministério da Saúde

A enfermeira Pollyana Pereira de Moura foi morta pelo namorado, o cirurgião dentista Fabrício David Jorge

Samara Schwingel, Sarah Peres
postado em 30/07/2020 15:52
Os corpos do casal foram descobertos na manhã desta quinta, em um edifício em Águas ClarasA Polícia Civil apura um caso de feminicidio seguido de suicídio que ocorreu entre a madrugada e a manhã desta quinta-feira (30/7), na Rua 25 Norte de Águas Claras.

Segundo apuração do Correio, a vítima é a enfermeira Pollyana Pereira de Moura, de 35 anos. A mulher era funcionária no Ministério da Saúde, integrante de um grupo de trabalho da covid-19. O suspeito do crime é o cirurgião dentista Fabrício David Jorge, 41.
Pollyana e Fabrício estavam se relacionando há cerca de um ano, após ambos terminarem um casamento. Na madrugada desta quinta, vizinhos do casal ouviram uma discussão. O acusado enviou uma mensagem para um amigo, afirmando que cometeria o feminicídio e, posteriormente, tiraria a própria vida.
A enfermeira Pollyana Pereira de Moura foi morta pelo namorado, o cirurgião dentista Fabrício David JorgeOs dois foram encontrados mortos no início da manhã, esfaqueados. A cena do crime passou por perícia do Instituto de Criminalistica (IC) da Polícia Civil, e a análise poderá esclarecer como o crime ocorreu.
Os corpos de Fabrício e Pollyanna foram retirados do apartamento por volta das 15h. Agentes da perícia saíram do local também sem comentar o caso.
[SAIBAMAIS]No início da tarde, familiares e amigos compareceram à 21; Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul) para prestar esclarecimentos sobre o relacionamento entre a enfermeira e o dentista.

Causa da briga é desconhecida

De acordo com fontes policiais, a causa do desentendimento ainda é desconhecida. Vizinhos relataram ter ouvido barulhos de itens caindo e sendo quebrados.

Porém, segundo funcionários do prédio, que conversaram com a reportagem sob a condição de anonimato, o casal aparentava ser tranquilo. ;Sempre que eu passava por eles, os dois eram educados e estavam sempre sorrindo;, disse um prestador de serviços no local.

Outra funcionária informou que os dois eram novos do condomínio e, por isso, não eram tão conhecidos. ;Acredito que estavam aqui há menos de um ano;, afirmou.

Busque ajuda

; Polícia Militar ; 190
; Ministério dos Direitos Humanos ; Disque 100
; Polícia Civil ; 197 ou opção 3 ou 61 98626-1197 (WhatsApp)
; Delegacia Online ; https://www.pcdf.df.gov.br/servicos/197/violencia-contra-mulher
; Delegacias regionais
Atendimento 24 horas por dia
; Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam I e II)
Asa Sul: Entrequadra 204/205 Sul
Telefone: 3207-6172
Ceilândia: Prédio da 15; Delegacia de Polícia ; QNM 2, Área Especial, Conjunto G/H - Centro
Atendimento ininterrupto
; Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)
De segunda a sexta-feira, das 10h às 16h30
Asa Sul: Estação do Metrô 102 Sul
Telefone: 3323-7264
Ceilândia: QNM 2, Conjunto F, Lote 1/3 ; Ceilândia Centro
Telefone: 3373-6668
Planaltina: Jardim Roriz, Área Especial, Entrequadras 1 e 2 ; Centro
Telefone: 3389-8189 / 99202-6376
; Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar
Telefones: 3910-1349 / 3910-1350
; Núcleo de Assistência Jurídica de Defesa da Mulher (Nudem)
Telefone e WhatsApp: 99359-0032
E-mail: najmulher@defensoria.df.gov.br

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação