Publicidade

Correio Braziliense

'Esquadrão 6' e quarta temporada de 'The Expanse' chegam ao streaming

Netflix e Amazon Prime lançam duas atrações que buscam fidelizar o público


postado em 12/12/2019 06:30 / atualizado em 12/12/2019 08:02

O filme 'Esquadrão 6' reforça o catálogo da Netflix a partir de amanhã(foto: Netflix/Divulgação)
O filme 'Esquadrão 6' reforça o catálogo da Netflix a partir de amanhã (foto: Netflix/Divulgação)
 
São Paulo — Em busca de fidelizar o público, os serviços de streaming apostam, cada vez mais, em produções originais dos mais diversos gêneros e com estrelas que já brilharam nas telonas. A partir de amanhã, a Netflix e a Amazon Prime Vídeo lançam nas plataformas duas atrações que têm esse objetivo: Esquadrão 6, filme de ação de Michael Bay protagonizado por Ryan Reynolds (Deadpool), e The expanse, série que foi cancelada pelo canal SyFy, mas ganhou nova temporada após ser salva pela Amazon.
 
Conhecido, principalmente, pela franquia Transformers, Michael Bay imprime sua marca de ação em Esquadrão 6. A atração acompanha a história de um grupo de agentes altamente treinados e bilionários que forjam as próprias mortes para combater o crime sem serem identificados. O sexteto, que é identificado apenas por números, é formado por Ryan Reynolds (Um), Mélanie Laurent (Dois), Manuel Garcia-Rulfo (Três), Adria Arjona (Quatro) e Corey Hawkins (Cinco). “A melhor parte desse filme é que os personagens são humanos, com falhas. É maravilhoso ver um grupo de pessoas juntas que não usa capa. Quem sabe na sequência? (risos). Mas esse é o espírito, essa é a essência”, avalia Corey Hawkins durante o painel dedicado ao filme no último dia da Comic Con Experience.
 
O longa-metragem foi gravado em seis cidades diferentes, entre elas Florença (Itália) e Hong Kong (China), o que permitiu aos atores, de certa forma, rodar o mundo e experienciar as cenas in loco. “O mais legal é porque realmente estávamos nos locais. Não gravamos com tela verde”, diz Adria Arjona. Tudo isso numa espécie de caos criado no set de Michael Bay. “Ele grava num caos, porque ele não conta para gente o que vai acontecer”, explica Ryan Reynolds. Para filmar as cenas de ação, que usaram o mínimo de computação gráfica possível, o elenco fez uma preparação com exercícios especiais. “Eu quase morri várias vezes. Eu só tenho memórias de quase não sobreviver”, completa Reynolds, entre risos.
 
Após ser salva do cancelamento pela Amazon, 'The expanse' chega à quarta temporada(foto: Amazon Prime Video/Divulgação)
Após ser salva do cancelamento pela Amazon, 'The expanse' chega à quarta temporada (foto: Amazon Prime Video/Divulgação)
 

Drama no espaço


Lançada em novembro de 2015, a série The expanse quase encerrou a história no ano passado, quando o canal de origem SyFy anunciou o cancelamento. Porém, o serviço de streaming Amazon Prime Vídeo resolveu atender o pedido dos fãs, que se mobilizavam e salvou a trama, produzindo uma quarta temporada, que estreia amanhã no serviço. “Lidamos de forma diferente (com o anúncio do cancelamento). Ficamos devastados. Mas os fãs buscaram, e nós fomos salvos. Acho que essa é a plataforma certa para a série”, afirma Dominique Tipper, que vive a personagem Naomi Nagata.
 
Uma das apostas do on-demand — e isso ficou bem claro durante a CCXP com a pré-estreia da quarta temporada, um painel só para a série e um espaço grande no estande da plataforma —, The expanse é uma história que tem como base a série de livros de Daniel Abraham e Ty Franck. Ela se passa num futuro em que a humanidade colonizou o sistema solar e tem facções divididas na Terra, em Marte e no Cinturão. A narrativa tem início a partir do desaparecimento da jovem Juliette Andromeda Mao (Florence Faivre) e de um trágico acidente envolvendo a nave comandada por James Holden (Steven Straig), que estão relacionados em uma conspiração que ameaça a humanidade.
“Nesse contexto, o racismo foi substituído pelo planetismo, há ódio entre as facções”, explica Cas Anvar, intérprete de Alex Kamal, sobre os debates que The expanse levanta mesmo nessa outra realidade. Algo que Steven concorda: “Eu era um grande fã dos livros, antes de ter a adaptação. Esse universo é tão complexo. Fala de identidade, de política, do jeito que as pessoas vivem em massa. Há pedaços que são muito relacionáveis. É um mix único de debates sobre os próprios indivíduos, em uma combinação rara entre ficção científica e drama”, comenta o protagonista.
 
Na quarta temporada, a trama ganha ainda mais profundidade, com a exploração de novos mundos. “A série sempre foi sobre as políticas e como salvar as culturas. Agora, há um mundo desconhecido”, adianta Cas Anvar. “O balanço do poder mudou, agora que há centenas de novos planetas. Agora tudo mudou”, explica Steven Straig. A atriz Frankie Adams, que dá vida a Bobbie Draper, completa: “Finalmente, vamos ver Marte”. Planeta, até então, apenas mencionado na história. 
 
“O que é interessante é que grande parte da quarta temporada é sobre explorar o desconhecido e lidar com as consequências disso. Identidade ainda é um tema”, acrescenta Dominique. “O lado bom de ser uma ficção científica é que podemos comunicar temas difíceis de uma forma mais fácil. Talvez, possa abrir conversas onde não aconteceram”, torce o protagonista.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade