Publicidade

Correio Braziliense

Veja quais são os estilos que vão marcar os hits do carnaval

Do funk ao sertanejo, tem de tudo na folia para agradar aos brincantes


postado em 15/02/2020 06:30 / atualizado em 15/02/2020 11:16

Carnaval é sinônimo de alegria e festa. No entanto, para a animação dos foliões ser completa, não pode faltar o hit musical número um. Para subir ao pódio, a música escolhida pelo público carnavalesco tem, normalmente, uma melodia contagiante e uma letra que não sai da cabeça. Além disso, a estratégia de divulgação do artista para a canção influencia diretamente no sucesso popular.

Com a pluralidade cultural do Brasil, ritmos regionais se espalharam por diferentes espaços e, assim, conquistaram as paradas musicais por estados do país. Tradicionalmente empolgante, o samba, o axé e o forró são, até hoje, muito bem quistos pelos foliões. Por outro lado, as clássicas marchinhas, o frevo e o maracatu nordestino também são fortemente representantes da festa. 

Em 2000, por exemplo, os hits de carnaval foram Xibom bombom, do grupo As meninas, e Cabelo raspadinho, da ex-banda baiana Chiclete com banana. Dez anos depois, a música Rebolation, do grupo de axé Parangolé, foi a mais dançada nos blocos. Contudo, os ritmos que, em anos anteriores não se aproximavam do primeiro lugar, atualmente bombam em rankings de plataformas digitais. À vista disso, o funk carioca e o sertanejo universitário ultrapassaram, então, as músicas que ocupavam o topo das playlists.

O funk ganhou espaço no universo musical e conquistou o coração de milhares de foliões pelo Brasil. Em 2017, o sucesso Todo dia, de Pabllo Vittar, foi a música mais ouvida no carnaval. Já em 2018, Jojo Toddynho, Anitta e Mc Loma dividiram a medalha de hit de ouro com Que tiro foi esse?, Vai malandra e Envolvimento. No último ano, a cantora de funk Anitta voltou ao topo com Bola rebola. Entretanto, o som carioca dividiu espaço com os sertanejos Gabriel Diniz e Whadi Gama, com os singles Jennifer e Piscininha amor.

A música Gaiola é o troco do cantor revelação Mc Du Black, explodiu nos últimos meses e, por isso, tem grandes chances de ser uma das mais tocadas neste carnaval. Para o artista, o funk é só um pedaço de um grande universo musical e, além de contagiar o público pela batida dançante, permite uma mesclagem de gêneros musicais com influência de nomes renomados da música brasileira. “Acho que dá para unir o funk e qualquer outro estilo. Música é isso! É criação, é trabalhar com feat de outros artistas, é também, poder misturar todos os estilos. Para lançar uma música, nós estudamos toda a trajetória da nossa tradição”, disse Du Black, em entrevista ao Correio.

Segundo o artista, o alto potencial do gênero se deve ao fato de ser uma tradução cultural da periferia do Brasil: “o funk é a mistura de todas as cores; é a voz de muitas pessoas que vieram da favela para o mundo”. Para este carnaval, a proposta é que o brega funk e o 150 BPM gerem repercussão ainda mais fortes e, na visão de Du Black, o mérito de hit ser ocupado por algum funkeiro implica em “quebrar tabus conservadores em relação à tendência da música carioca”. Contudo, artistas de diversos segmentos musicais participam da disputa acirrada pelo single mais ouvido.

Com apostas a todo o vapor, a música Tudo Ok, de Thiaguinho MT, lidera o ranking do Spotify. Pabllo Vittar também concorre ao título com Parabéns e Amor de que. A cantora Lexa lançou dois singles para disputar o atributo: Treme tudo e Aquecimento da Lexa. Ainda assim, Surtada, de Tati Zaqui, Carnaval chegando, de POCAH, Vem me satisfazer, de Mc Ingryd, e Pulando na pipoca, de Ludmilla e Ivete, compõem a playlist de sugestões.

Além disso, quem gosta de sertanejo também pode apostar pela música favorita do feriado: Henrique e Juliano com Liberdade provisória, Gusttavo Lima, com A gente fez amor, Marília Mendonça e Anitta, com Some que ele vem atrás, e Maiara e Maraísa, com Aí eu bebo. Ademais, o axé não ficou de fora e conta com os lançamentos Perigosinha, de Claudia Leitte, O mundo vai, de Ivete Sangalo, e Sambando feito um louco, de Léo Santana, Luan Santana e Olodum.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade