Diversão e Arte

Fotógrafo brasiliense lança campanha em apoio à comunidade indígena

O projeto 'S.O.S Povo Pataxó Da Jaqueira', do fotógrafo Yuri Alvetti, reverte o valor arrecadado com as vendas e as doações para o Instituto Pataxó de Etnoturismo

Lisa Veit*
postado em 06/08/2020 14:40
O ponto pé do projeto foi a foto, feita por Yuri, do cacique Syratã PataxóO fotógrafo brasiliense Yuri Alvetti mobilizou amigos e parceiros nas redes sociais para promover uma campanha em apoio à cultura e aos membros da comunidade indígena Pataxó da Jaqueira, localizada na Bahia. Intitulada "S.O.S. Povo Pataxó da Jaqueira", a ação teve início a partir da venda de uma série limitada de fotografia Fine ART, em papel museológico. O fotógrafo disponibilizou 10 exemplares do retrato que tirou do líder da tribo, cacique Syratã Pataxó. A ação visa auxiliar financeiramente a comunidade indígena que, no momento, devido à pandemia, ficou impossibilitada de exercer a principal atividade econômica, o etnoturismo.

[SAIBAMAIS]Seguindo o sistema de economia coletiva, além da venda das obras, o projeto também recebe doações. Segundo o idealizador, a comunidade da Jaqueira carece de equipamentos de proteção individual (EPI;S), comida e insumos para o combate à covid-19 e recebe pouco ou nenhum apoio do governo diretamente.
[VIDEO1]
Ele também contou que a ideia do projeto surgiu há alguns anos, mas foi impulsionado pela realidade da pandemia. Entretanto, o contato com os povos originários o acompanha desde criança. ;Sou filho de uma antropóloga, casada com outro antropólogo, e de um professor. Meus irmãos e eu fomos criados de forma que valorizamos muito a cultura, a educação e os povos indígenas;, contou. ;Tenho uma relação muito próxima com o povo da Pataxó da Jaqueira, eles são meus amigos. Trabalhamos com eles diretamente. Então, senti essa responsabilidade. Vi que estavam passando por uma situação muito difícil, pela perda de líderes religiosos, pela impossibilidade de receber turistas e de ensinar o que é a cultura indígena. Pintura, comidas tradicionais, rituais sagrados, cantos, é tudo muito importante, e quem não trabalha diretamente com isso, por vezes, não se dá conta de que muito está se perdendo;, acrescentou o fotógrafo.

Outro ponto levantado por Yuri é a importância das contribuições, tanto de artistas quanto do público de arte, para preservação e valorização da cultura dos povos originários, hoje ameaçados também pela pandemia. ;Gostaria de reforçar, com o projeto, a mensagem de que as pessoas podem fazer a diferença, ainda que de maneira tímida, pequena. Se hoje estou produzindo arte, devo isso aos meus antepassados que construíram a nossa cultura. Eles estão lutando e resistindo;, reforçou.
%u201CGostaria de reforçar, com o projeto, a mensagem de que as pessoas podem fazer a diferença, ainda que de maneira tímida, pequena
Estão disponíveis dois dos 10 exemplares da fotografia tema do projeto, impressa em papel de qualidade museológica, Photo Rag ; Baryta 315g, nas dimensões 20x30cm, a R$ 150 cada. Entretanto, quem quiser contribuir de outra forma pode fazer doações de qualquer valor diretamente na conta do Instituto Pataxó de Etnoturismo, que destinará 100% do valor para a comunidade. Outras ações de venda poderão ser realizadas de acordo com a demanda do público.

Doações ao Povo Pataxó da Jaqueira

Instituto Pataxó de Etnoturismo
CNPJ 03.481.565/0001-26
Banco do Nordeste
Agência: 251
Conta Corrente: 008449-3
*Estagiária sob a supervisão de Roberta Pinheiro

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação