Publicidade

Correio Braziliense

Após PIB fraco, Guedes diz que estuda liberar PIS-Pasep e FGTS para consumo

Nesta quarta, o IBGE mostrou que a economia brasileira recuou 0,2% no primeiro trimestre do ano. É a primeira taxa negativa para o período desde 2016


postado em 30/05/2019 12:20

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
O ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que o governo federal estuda liberar recursos do PIS-Pasep e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para estimular o consumo na economia. “Vamos liberar PIS/Pasep, FGTS. Muito em breve, assim que saírem as reformas. O problema é que se você abre essas torneiras sem as mudanças fundamentais, é o voo da galinha. É tudo agora, nas próximas três, quatro semanas”, disse. 

Perguntado se a medida também envolveria a liberação das contas ativas do FGTS, o ministro confirmou. As declarações foram dadas na manhã desta quinta-feira (30/5), na sede da pasta, em Brasília. Apesar do empenho em liberar recursos, Guedes defendeu que o governo federal tem feito seu papel para melhorar a economia e culpou a política econômica expansionista das gestões anteriores pelo Produto Interno Bruto (PIB) fraco do país.

Nesta quarta, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que a economia brasileira recuou 0,2% no primeiro trimestre do ano. É a primeira taxa negativa para um trimestre desde o quarto trimestre de 2016. “Não faltou nada”, disse Guedes sobre possíveis ações que pudessem aquecer a economia no primeiro trimestre. “Nós temos incompletos quatro meses e o presidente enviou as duas principais reformas para o Congresso: a do (Sérgio) Moro, contra a criminalidade, e da Previdência, que é a mais importante. Então, menos de quatro meses, as propostas estão lá. Quanto mais rápido houver a aprovação disso, mais rápido nós destravamos o resto”, apontou. 
 

Liberdade econômica 

O ministro também afirmou que o governo também publicou a Medida Provisória da liberdade econômica. “Simplificamos, desburocratizamos. Estamos a semanas de anunciar o maior acordo comercial da história recente. O Brasil pode entrar no mercado comum Europeu. Conseguimos o apoio do governo americano para entrar na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), na primeira divisão das economias mundiais”, afirmou Guedes. 

Ele defendeu que a reforma da Previdência é o primeiro passo e decisiva para “abrir os portões do crescimento”. Após isso, o governo pretende focar na reforma tributária e no pacto federativo, que “coloca estados e municípios em pé de novo”. “(Hoje) Estão todos quebrados. Nós vamos ajudar a desobstruir as finanças dos estados e municípios. Por outro lado, com a reforma tributária, nós vamos estimular o setor privado”, argumentou. 

Dessa forma, segundo ele, os juros e os impostos vão ser reduzidos gradualmente. “E aí nós vamos dar um choque de energia barata. Vamos derrubar o preço de combustíveis e uma reindustrialização do Brasil em cima de energia barata. E ao mesmo tempo fazer o gás de cozinha chegar barato para o trabalhar brasileiro. Aumentaremos a competição no setor de produção, refino e distribuição de gás e petróleo”, declarou o ministro da Economia. 

Para Guedes, isso colocará o país no caminho da prosperidade. “Até agora, estávamos no caminho da estagnação. O investimento está caindo no Brasil nos últimos 15 anos. O deficit da Previdência estão aumentando a cada ano. Os juros estão muito altos”, lembrou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade