Publicidade

Correio Braziliense

Faculdades do programa Educação em Prática poderão ter bônus na avaliação

O programa Educação em Prática abre as portas de faculdades para alunos do ensino fundamental II e ensino médio


postado em 06/11/2019 17:20 / atualizado em 06/11/2019 20:10

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, assinou a portaria de lançamento do Educação em Prática (foto: Gabriel Jabur/MEC)
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, assinou a portaria de lançamento do Educação em Prática (foto: Gabriel Jabur/MEC)
O Ministério da Educação (MEC) lançou nesta quarta-feira (6/11) o programa Educação em Prática, que abre as portas de faculdades para alunos do ensino fundamental II e ensino médio. O objetivo é fazer com que as universidades interessadas no projeto cedam espaço físico para os alunos, como laboratórios e quadras de esporte. O programa funciona como uma alternativa do governo para ampliar o acesso dos adolescentes ao ensino em tempo integral. 
 
As universidades que se inscreverem no programa poderão ter um bônus da avaliação institucional realizada através do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (SINAES). Segundo o MEC, 2152 instituições de ensino superior privadas, 296 universidades públicas, 38 institutos federais e dois centros federais de educação tecnológica poderão aderir ao programa. 
 
O ministro da educação, Abraham Weintraub, salientou que “faculdades ruins” não serão beneficiadas. “Faculdade ruim que achar que o programa pode ser um atalho para melhorar a nota, não vai melhorar. Tem que ser universidade boa e bem avaliada. Dado esse critério, tem que aderir ao programa que vai ser muito bem monitorado e caso tenha um desempenho, a nota vai subir”, explicou o ministro no evento de lançamento do programa.
 
No entanto, o MEC não soube explicar qual indicador será considerado como uma pontuação “ruim” e afirmou que os parâmetros para avaliar o trabalho das faculdades que aderirem o programa ainda serão discutidos. O MEC informou ainda que não haverá transferência de recursos para ajudar as faculdades com os possíveis gastos com o programa. 
 
Segundo o secretário de Educação Básica (SEB), Janio Macedo, as universidades já recebem uma pontuação pela responsabilidade social. “Essa bonificação já existe no Sinaes. As universidades públicas não vão fazer nada a mais do que colocar a disposição da comunidade as suas competências, como professores e laboratórios”, afirmou. Para ele, a bonificação vai ser um estímulo para as faculdades.
 
As adesões das universidades deverão ser realizadas a partir de 2019 e as ações estão previstas para começarem em 2020.

Novas escolas de ensino médio integral

Outra proposta anunciada ainda ontem para auxiliar no estímulo dos alunos do ensino médio é a criação de 500 novas escolas públicas em 2020, que ampliarão a oferta do ensino médio integral. De acordo com o MEC, a medida vai ampliar em quase 50% a oferta do ensino integral nos últimos anos escolares.
 
Desde 2017, 1027 escolas de ensino médio integral foram criadas. Para a criação das novas escolas, a pasta investirá R$ 80 milhões nesta operação e prevê que 40 mil alunos serão beneficiados.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade