Ensino_EnsinoSuperior

94% dos alunos de faculdades particulares querem continuar estudando

Estudo da Educa Insights em parecia com a ABMES mostra a percepção de alunos do ensino superior sobre a crise provocada pela Covid-19

Isadora Martins*
postado em 02/04/2020 14:55
De acordo com levantamento da empresa de pesquisas educacionais Educa Insights, em parceria com a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), 94% dos alunos que cursam graduação presencial em instituições de ensino superior particulares pretendem continuar estudando, mesmo com os impactos da crise do novo coronavírus. Entre os estudantes que cursam ensino a distância (EAD), esse índice é de 96%. Os dados foram apresentados em uma coletiva de imprensa on-line nesta quinta-feira (2).
Estudo da Educa Insights em parecia com a ABMES mostra a percepção de alunos do ensino superior sobre a crise provocada pela Covid-19

O levantamento mostra que 57% dos alunos têm a intenção de seguir com os estudos, independentemente do cenário; 37% querem continuar a graduação, mas consideram que há risco de desistência. Apenas 6% afirmaram que provavelmente desistirão devido ao contexto atual. A maioria dos estudantes do último grupo (58,4%) aponta a preocupação com a manutenção do emprego como o principal fator que poderia levá-los a deixar o curso. Outros fatores apresentados pelos alunos são o temor de que os pais ou responsáveis não consigam arcar com as mensalidades (11,9%) e a dificuldade de se adaptar às aulas virtuais (15,3%).
Há, ainda, uma parcela (7,5%) que pensa em desistir da faculdade para usar o dinheiro para cobrir despesas e outra que deixaria a graduação caso não fossem interrompidas as aulas presenciais diante do risco de contaminação ao novo coronavírus (6,9%). O sócio-fundador da Educa Insights Daniel Infante analisa os números da pesquisa de maneira positiva. ;Esse é um resultado muito importante e significativo para as instituições;, afirma. Ele reconhece que, apesar dos impactos na economia, a situação ainda é ;bastante controlável; no setor educacional. ;No momento em que estourou a pandemia, nós buscamos maneiras de ajudar o setor a reagir da forma mais estruturada possível.;
Estudo da Educa Insights em parecia com a ABMES mostra a percepção de alunos do ensino superior sobre a crise provocada pela Covid-19

Impacto nas matrículas

Ainda segundo Infante, o impacto da crise na captação de novas matrículas é mínimo. ;Boa parte de quem entraria (em uma faculdade) já havia se inscrito quando a situação começou;, explica. O levantamento da Educa Insights e da ABMES também ouviu pessoas que pensam em começar um curso de ensino superior, presencial ou a distância, nos próximos 12 meses. Entre os entrevistados, 43% preferem esperar a situação se normalizar para começar a graduação; 22% pretendem começar no meio deste ano; 30%, no início de 2021; 6%, na metade do ano que vem.

O sócio-fundador da Educa Insights explica que, embora haja outras demandas mais importantes para as instituições de ensino superior no momento ; como a adaptação para o modelo de aulas virtuais ;, o foco em captação de novos estudantes também precisa entrar no planejamento. Afinal, quase um quarto dos entrevistados pretende começar a graduação já na metade deste ano.

Valor das mensalidades

Desde que as faculdades particulares substituíram as atividades presenciais por aulas on-line, grupos de estudantes têm cobrado a redução da mensalidade para o valor de graduações a distância. O presidente da ABMES, Celso Niskier, explica, entretanto, que o modelo adotado atualmente pelas instituições de ensino superior não é EAD. ;As faculdades estão implementando aulas presenciais de forma remota, o que é diferente do ensino a distância tradicional. Não cabe essa comparação.;
Celso Niskier, presidente da ABMES

um movimento, inclusive, de assembleias legislativas para tentar aprovar descontos coletivos. De acordo com Niskier, essa medida está ;completamente fora do escopo da realidade;. Ele explica que o problema é pontual, não generalizado. ;Se a gente horizontalizar os descontos, oferecendo 30% para todos os estudantes, por exemplo, não conseguiremos atender àqueles que necessitam de mais do que 30% e atenderemos quem tem condições de pagar o valor integral;, justifica. ;Individualizar o tratamento é melhor do que judicializar essa questão;, acrescenta.

O presidente da ABMES destaca que as entidades ligadas à educação estão negociando soluções de créditos para que o percentual de alunos que não terá condições de bancar os estudos nos próximos meses possa ser atendido. Ele aconselha que esses estudantes procurem suas faculdades e discutam formas viáveis de continuar a graduação. ;Vocês serão ouvidos;, garante. Ainda de acordo com Niskier, as faculdades estão se movimentando para auxiliar os alunos que não têm acesso a aparatos tecnológicos em casa. ;Nenhum deles vai ficar para atrás se depender das instituições de ensino superior.;

Sobre a pesquisa

O levantamento ;Coronavírus e Educação Superior: o que pensam os alunos?; foi realizada virtualmente entre 20 e 23 de março. A pesquisa ouviu homens e mulheres, entre 17 e 50 anos, das classes sociais A, B, C e E. Participaram do estudo 485 alunos de graduação, matriculados em cursos presenciais ou EAD de instituições particulares, há pelo menos 6 meses.
Também foram entrevistadas 512 pessoas que pensam em começar um curso de ensino superior, presencial ou a distância, nos próximos 12 meses. Estão previstas outras duas etapas da pesquisa, que deverão ser realizadas na segunda quinzena de abril e em meados de maio de 2020.
Confira a pesquisa completa no link.
*Estagiária sob supervisão de Ana Sá

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação