Publicidade

Correio Braziliense

Conheça os primeiros colocados no vestibular de 2019 da UnB

Confira três histórias de estudantes que chegaram ao topo da seleção, garantindo aprovações em medicina e em engenharias


postado em 08/07/2019 20:45 / atualizado em 09/07/2019 12:02

Os perfis dos donos das melhores pontuações do vestibular de 2019 da Universidade de Brasília (UnB)incluem estudantes que tiveram experiência em outras áreas de formação até tomarem uma decisão final de carreira e até quem ainda está na escola. Em comum entre os que chegaram ao pódio da seleção estão foco e dedicação aos estudos, mas com equilíbrio, sem abrir mão de atividades de lazer no tempo livre. Conheça algumas dessas histórias de triunfo acadêmico:

Voltando para medicina

João Paulo deixou engenharia civil para se tornar médico(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
João Paulo deixou engenharia civil para se tornar médico (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
  

O grande campeão do câmpus Darcy Ribeiro no vestibular de 2019 é João Paulo Republicano, 19 anos. Agora, ele repetiu dois grandes feitos: o de passar em medicina e o de conseguir aprovação num vestibular da UnB. Enquanto concluía o ensino médio no Colégio Olimpo, no fim de 2017, ele comemorava o fato de ter sido selecionado para cursar medicina por meio do Programa de Avaliação Seriada (PAS). “Depois de um semestre na graduação, no começo de 2018, achei meio pesado e decidi trocar. Achei que eu seria de exatas”, comenta. João Paulo passou no vestibular de 2018 para engenharia civil. Seis meses mais tarde, decidiu voltar para o primeiro curso. 

“Eu sempre ficava na dúvida entre exatas e medicina, mas, quando comecei engenharia, vi que era uma área sem muito contato humano, o foco era muito só em dados”, explica. “Aí percebi que medicina era algo que motivaria mais”, conta. A rotina de preparação de João Paulo para o vestibular de 2019 foi intensa. “Eu chegava do cursinho Exatas na hora do almoço e estudava umas sete horas por dia. Fora isso, eu tentava ir para a academia no mínimo três vezes por semana”, afirma. No tempo livro, ele chegava a sair com amigos para programas mais tranquilos, como cinema, mas sem festas. “Este semestre eu me dediquei totalmente aos estudos. Tinha sábado que eu estava até as 11h da noite”, conta.

Além disso, os fins de semana eram reservados para mais estudo. “Era nesses dias que eu fazia provas anteriores. Peguei todos os vestibulares anteriores da UnB que estavam disponíveis no site desde 2004. No total, deram umas 30 provas oficiais que eu refiz, entre vestibular e PAS (Programa de Avaliação Seriada)”, diz.  “Foi o principal que me ajudou. De tanto fazer provas antigas, comecei a ver os padrões”, observa. Apesar de estar confiante de que passaria para medicina mais uma vez, João Paulo se surpreendeu com o primeiro lugar. “Em simulados eu conseguia ficar em primeiro lugar, mas não esperava que seria assim no vestibular. Eu estava duvidando”, admite. 

No ensino fundamental, João Paulo estudou no Colégio Presbiteriano Mackenzie, onde chegou a ter bolsa de 100% pelas boas notas. “Eu sempre fui bom aluno. Aí no ensino médio, decidi ir para uma escola mais voltada para vestibular. Então, o Olimpo me deu toda uma base.” O brasiliense é filho de um policial civil formado em engenharia mecânica e de uma servidora da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) que é graduada em arquitetura. Agora, o brasiliense está mais tranquilo com os rumos da carreira. “Eu sei que vai ser um curso difícil e que vou estudar muito, mas eu espero que eu me encontre, possa ajudar as pessoas e seja feliz na profissão.”

Depois de farmácia, a medicina

Lucas Lima, 25, é o segundo colocado do vestibular da UnB no câmpus Darcy Ribeiro. Ele vai cursar medicina como segunda graduação: o estudante é formado em ciências farmacêuticas, também pela UnB. “Percebi que era algo que eu queria fazer no fim da minha outra faculdade. Tentei largar o outro curso para me dedicar à medicina, mas acabei esperando a formatura”, conta. Lucas se formou em ciências farmacêuticas em 2015 e, desde então, tentava uma vaga no curso mais disputado da UnB. 
 
Lucas Lima vai cursar medicina na UnB como segunda graduação
Lucas Lima vai cursar medicina na UnB como segunda graduação
 
Durante três anos, estudou em casa por meio de cursos on-line. No último semestre, decidiu fazer cursinho presencial no Exatas. A rotina de estudos de Lucas, que terminou o ensino médio no Colégio Ideal, era focada em resolução de exercícios. “No começo, eu assistia às aulas, fazia resumos e baixava listas de exercícios. Com o passar do tempo, vi que isso não estava sendo uma vantagem para mim”, diz. “Eu mudei a rotina de estudos em 2018 e comecei a me dedicar 100% a fazer exercícios, o que deu muito certo. No ano passado, eu fiquei bem perto de ser chamado na lista de espera do vestibular”, completa ele, que é filho de servidores públicos.

Nos fins de semana, Lucas reservava tempo para descansar. “Eu deixava o sábado para fazer alguma coisa mais relaxante, saía com os amigos, ficava com a minha namorada… Às vezes, até resolvia alguns exercícios, lia alguma coisa, mas nunca abri mão do meu tempo de descanso.” O estudante conta que está muito animado para começar o curso. “Tenho ótimas expectativas. Eu espero ser muito feliz, vou fazer de tudo para ser um profissional muito bom.” 

Minha paixão é tecnologia

Ana Carolina Costa, 17, é a primeira colocada do câmpus Gama (FGA). Ela passou para o curso de engenharias e ainda cursa o 3º ano do ensino médio no Colégio Olimpo de Águas Claras. Em 2018, enquanto estava no 2º ano, ela passou em primeiro lugar para o curso de engenharia de software na Universidade Católica de Brasília (UCB). “Em 2018, eu fiz para ver como iria me sair e passei. Este ano, fiz com a intenção de entrar mesmo”, conta a aluna que, durante os fins de semana, mantinha a rotina de estudos, inclusive a prática de redação.
 
Ana Carolina Costa passou para o curso de engenharias e ainda cursa o 3º ano do ensino médio no Colégio Olimpo
Ana Carolina Costa passou para o curso de engenharias e ainda cursa o 3º ano do ensino médio no Colégio Olimpo
 
“Sempre fui estudiosa, nunca fiquei de recuperação nem sou muito de sair.”Quem ingressa no curso de engenharias no Gama não, imediatamente, por uma dos cinco eixos oferecidos (aeroespacial, automotiva, de energia, de software e eletrônica). Depois de três períodos, com boa parte da formação básica em matemática, física, química e computação, é que o estudante faz a escolha pelo tipo específico de engenharia. Ana Carolina já decidiu a sua área de opção: engenharia de software. “Gosto muito de tecnologia, inovação e temas sobre o futuro. Minhas matérias favoritas na escola são matemática, física, química, biologia e geografia.”

Filha de um empresário e de uma assistente social, a jovem esperava o resultado positivo, mas ficou surpresa com a aprovação em primeiro lugar. “Eu estudava pelas provas antigas e revia as matérias do dia. Dou essa dica para quem quer passar no vestibular”, afirma. Agora, ela tomará providências judiciais para poder sair da metade do 3º ano do ensino médio diretamente para o ensino superior.
 


*Estagiárias sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
MEC lança diploma digital 20:01 - 10/12/2019 - Compartilhe

MEC lança diploma digital

publicidade
MEC lança diploma digital. Acompanhe ao vivo 15:04 - 10/12/2019 - Compartilhe

MEC lança diploma digital. Acompanhe ao vivo

publicidade
Começa a primeira edição da FeLiB 14:46 - 09/12/2019 - Compartilhe

Começa a primeira edição da FeLiB

publicidade