Publicidade

Correio Braziliense

Sudaneses seguem protestando por governo civil após queda do presidente

Omar al-Bashir ficou no poder por quase três décadas


postado em 18/04/2019 17:52

Militares conversando com manifestantes próximo a sede do Exército na capital Cardum(foto: SUDAN NEWS AGENCY / AFP)
Militares conversando com manifestantes próximo a sede do Exército na capital Cardum (foto: SUDAN NEWS AGENCY / AFP)
 Uma semana após os militares sudaneses terem retirado do poder o presidente Omar al-Bashir, continuam sendo realizadas manifestações para a queda de todo o governo, um protesto inédito no país africano que é realizado há quatro meses.

Nesta quinta-feira (18/4), milhares de sudaneses se reuniram pelo 13º dia consecutivo em frente ao quartel-general das Forças Armadas situado no centro de Cartum, a capital do país. 

Com um maior número de pessoas, a manifestação pediu a participação dos civis no poder e mais "liberdade, paz, justiça".

Bashir, de 75 anos, foi destituído após três décadas à frente do país num golpe de Estado realizado no dia  11 de abril, motivado por uma série de protestos que começaram contra o aumento drástico do preço do pão e que depois passou a questionar o regime.

Desde o dia 6 de abril, milhares de sudaneses acampam em frente ao quartel-general militar, apesar do forte calor que faz durante o dia.

Se a princípio exigiam a saída de Bashir, agora querem também dissolução do Conselho Militar de transição que assumiu o poder e a instauração de um poder civil.

O ministro da Defensa de Bashir, o general Awad Ibn Ouf, havia assumido a liderança do Conselho de transição em 11 de abril, mas renunciou ao cargo no dia seguinte, sendo substituído pelo general Abdel Fatah al Burhan, um militar pouco conhecido.

Bashir chegou ao poder com um golpe de Estado em 1989 apoiado pelos muçulmanos e dirigiu o país com mão de ferro, em meio a várias rebeliões. 

O ex-presidente encontra-se detido num local não revelado e é alvo de ordens de prisão da Corte Penal Internacional de Haia por genocídio, mas as autoridades atuais se negam a extraditá-lo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade