Publicidade

Correio Braziliense

EUA elogia poder do diálogo após acordo no Equador

Governo do presidente Moreno atendeu ao pedido do movimento indígena e revogou medida que acabava com subsídios aos combustíveis no Equador


postado em 14/10/2019 16:07

Medida, alvo de protestos desde 2 de outubro, causou uma alta descontrolada no preços dos combustíveis(foto: IVAN ALVARADO/Agência Brasil )
Medida, alvo de protestos desde 2 de outubro, causou uma alta descontrolada no preços dos combustíveis (foto: IVAN ALVARADO/Agência Brasil )
O secretário de Estado interino para Assuntos do Hemisfério Ocidental dos Estados Unidos, Michael Kozak, destacou nesta segunda-feira "o poder do diálogo pacífico" após o acordo alcançado no domingo entre o governo do Equador e o movimento indígena. 

"O acordo alcançado entre o governo do Equador e os movimentos sociais indígenas - apoiado pela ONU e pela Igreja Católica - mostra o poder do diálogo pacífico", afirmou o diplomata americano no Twitter. 

Kozak acrescentou que o acordo ajudará a restaurar a estabilidade do país e a prosperidade do seu povo. 

Os protestos começaram em 2 de outubro após a eliminação dos subsídios aos combustíveis decretados pelo governo de Lenín Moreno, no âmbito de um acordo assinado entre o Equador e o Fundo Monetário Internacional (FMI)

governo de Moreno aceitou no domingo o pedido da Confederação das Nacionalidades Indígenas (Conaie) para revogar a medida em troca do fim dos protestos. 

Durante as manifestações, Moreno decretou o estado de exceção e retirou o governo da capital. 

Na sexta-feira passada, o secretário de Estado Mike Pompeo expressou apoio dos Estados Unidos a Moreno e disse que as medidas decretadas era necessárias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade