Publicidade

Correio Braziliense

Privatizações, voto impresso... Veja como foi o Roda Viva com Bolsonaro

Candidato à Presidência pelo PSL foi entrevistado da semana do programa


postado em 31/07/2018 07:55 / atualizado em 31/07/2018 09:13

Jair Bolsonaro disse que a política de cotas no país precisa ser revista(foto: TV Cultura/Reprodução)
Jair Bolsonaro disse que a política de cotas no país precisa ser revista (foto: TV Cultura/Reprodução)
O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, listou entre as medidas que pretende implantar no plano econômico a privatização de "boa parte" das estatais brasileiras e medidas para desburocratizar a economia. "Se o governo não atrapalhar o empreendedor, temos como melhorar a questão do desemprego no Brasil", resumiu o presidenciável, que foi entrevistado do Roda Viva desta semana.

Bolsonaro, que reiteradas vezes é lembrado por ter demonstrado uma visão estatista em seu histórico parlamentar, veio ao programa acompanhado do economista de sua campanha, Paulo Guedes, e afirmou que "não existe plano B" para ele, a quem adiantou ser o ministro da Fazenda caso vença as eleições de outubro. 

Como em vezes anteriores, ele reforçou a necessidade de se aprovar uma reforma da Previdência, mas disse ser contra o modelo defendido pelo governo do presidente Michel Temer. Bolsonaro ainda defendeu que os policiais tenham um plano diferenciado em relação ao sistema geral de aposentadoria dos civis. Ele ainda admitiu que existe corrupção entre os militares, mas defendeu ser "infinitamente menor" que entre os civis.

Declarações polêmicas

No programa, o deputado foi questionado por várias de suas declarações polêmicas, como a discussão com a deputada Maria do Rosário (PT-RS) e os comentários em relação aos quilombolas. Ele voltou a se colocar contra cotas para negros nas universidades e defendeu um sistema de meritocracia. "Vão pedir cota para nordestino agora?", questionou. Ele também se defendeu das acusações de que foi machista com a deputada Maria do Rosário, que atualmente o processa. Bolsonaro se queixou que metade dos 30 processos que tem contra ele seja por declarações dadas na tribuna da Câmara. Na tribuna da Câmara, eu tenho imunidade", se defendeu.

Voto impresso

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, voltou a criticar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de barrar a implementação do voto impresso no Brasil. Na visão do presidenciável, a medida coloca sob suspeição a eleição deste ano.

"Lamento que a (procuradora-geral da República) Raquel Dodge tenha atuado para derrubar o voto impresso. Você não tem como comprovar que não haverá fraude, nem eu que haverá. Não consigo entender como a impressão do voto prejudica (o eleitor), como ela argumentou", disse o presidenciável, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 30. 

Bolsonaro disse ter hoje mais votos que o ex-presidente Lula, que figura em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, mas que não conseguirá saber se o resultado é correto. "As eleições de qualquer forma estão sob suspeição", disse.

Relação com Eduardo Cunha

Questionado sobre sua aliança com o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ), que foi cassado e está preso por corrupção, Bolsonaro citou delatores que mencionaram que foi um dos poucos a não aceitar dinheiro de propina. "Não é porque andei na companhia de corruptos que sou corrupto", disse. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade