Publicidade

Correio Braziliense

VÍDEO: ex-mulher de Bolsonaro nega ter sido ameaçada e elogia deputado

No vídeo, publicado em um perfil no Instagram entitulado Bolsonaro Opressor 2.0, a ex-mulher do deputado federal diz que o documento é uma mentira. "Nunca. Pai do meu filho. Meu ex-marido. Ele é muito querido por mim e por todos", disse


postado em 25/09/2018 20:46 / atualizado em 25/09/2018 21:14

(foto: Reprodução/ Vídeo)
(foto: Reprodução/ Vídeo)
 
A ex-esposa do candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, gravou um vídeo na noite desta terça-feira (25/9) negando que tenha sido ameaçada de morte pelo então companheiro. Ana Cristina Valle, que se identifica na gravação como Cristina Bolsonaro, diz que o presidenciável é "muito querido" por ela, e que não seria capaz de fazer o mal a ela. Ana Cristina é candidata a deputada federal pelo Podemos.

Relatórios despachados em 2011 da Embaixada do Brasil em Oslo, na Noruega, para a sede do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília, revelam que Ana Cristina disse ter sido ameaçada de morte à época. Os telegramas, como são chamados no jargão diplomático esses textos datados de julho daquele ano, mostram os movimentos do capitão reformado do Exército para conseguir ter acesso à localização da mulher com quem se relacionou por uma década e do filho de ambos, Jair Renan, então com 13 anos.

No vídeo, publicado em um perfil no Instagram entitulado Bolsonaro Opressor 2.0, a ex-mulher do deputado federal diz que o documento é uma mentira. "Nunca. Pai do meu filho. Meu ex-marido. Ele é muito querido por mim e por todos. Ele não tem essa índole pra fazer tal coisa", defende a mulher.

Ana é é ex-servidora da Câmara Municial de Resende, no Rio de Janeiro e defende o ex-marido, lembrando o atentado sofrido pelo presidenciável em 6 de setembro, em Juiz de Fora (MG). "Ele está de pé depois de tudo o que aconteceu e vai continuar", disse.
 
 
documento, ao qual o Correio teve acesso, demonstra os detalhes das conversas entre Ana e representantes do Itamaraty. De acordo com o memorando, ao ser informada que poderia responder, no âmbito da Convenção de Haia, pelo sequestro internacional de menores, a advogada considerou que o vice-cônsul estava agindo em nome de Bolsonaro. 

Em conversa com a reportagem, Ana Cristina negou ter feito as acusações ou ter sido contatada pelo consulado brasileiro. “Nunca fui ameaçada de morte por ele. Eu não fui contatada pela embaixada na época. O governo da Noruega que ligou para o meu marido, que hoje mora comigo aqui no Brasil. Hoje eu mantenho uma relação boa com Bolsonaro. Toda separação é meio difícil. Existem mágoas, um pouco de brigas, e na minha não foi diferente. Mas hoje em dia estamos muito bem”, afirmou. Ela já vivia na época com o norueguês Jan Raymond Hansen, com quem está até hoje.

Procurado pelo Correio, por meio de sua assessoria, o deputado Jair Bolsonaro não atendeu as ligações da reportagem, tampouco respondeu as mensagens.
 
Ver galeria . 93 Fotos Nelson Almeida/AFP
(foto: Nelson Almeida/AFP )
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade