Publicidade

Correio Braziliense

Não tenho controle se tem gente fazendo isso, diz Bolsonaro sobre WhatsApp

Denúncia diz que empresas compraram pacotes de envio em larga escala de mensagens no WhatsApp contra a campanha de Fernando Haddad (PT)


postado em 19/10/2018 08:13 / atualizado em 19/10/2018 11:30

(foto: Mauro Pimentel/AFP)
(foto: Mauro Pimentel/AFP)
 

 

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, afirmou, nesta quinta-feira (18/10), não ter influência sobre empresários que eventualmente financiem o envio de mensagens de WhatsApp contra o petista Fernando Haddad. "Eu não tenho controle se tem empresário simpático a mim fazendo isso. Eu sei que fere a legislação. Mas eu não tenho controle, não tenho como saber e tomar providência. Pode ser gente até ligada à esquerda que diz que está comigo para tentar complicar a minha vida me denunciando por abuso de poder econômico", disse ao site "O Antagonista".

O PT entrou nesta quinta-feira com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que seja investigada a denúncia de que empresas compraram pacotes de envio em larga escala de mensagens no WhatsApp contra a legenda e a campanha de Fernando Haddad (PT) à Presidência da República. A acusação foi publicada em matéria do jornal Folha de S.Paulo.

O presidente do PSL, Gustavo Bebianno, negou que o partido tenha financiado o envio de milhares de mensagens com caixa 2. "Nem o PSL, nem a campanha e muito menos o candidato Jair Bolsonaro se prestam a esse tipo de papel. Toda e qualquer doação feita até hoje foram de recursos doados por meio da nossa plataforma, conforme a legislação" garantiu. "Vamos ver se conseguem provar. Caixa 2 e doações ilegais, isso está muito longe do PSL", disse.

Bolsonaro recorreu ao Twitter para responder aos rivais. "PT não está sendo prejudicado por 'fake news', mas pela VERDADE", escreveu. "Roubaram o dinheiro da população, foram presos, afrontaram a justiça, desrespeitaram as famílias e mergulharam o país na violência e no caos. Os brasileiros sentiram tudo isso na pele, não tem mais como enganá-los!", escreveu.

O pedido petista para que o TSE torne Bolsonaro inelegível também teve a resposta da senadora Ana Amélia (PP-RS), candidata a vice na chapa de Geraldo Alckmin no primeiro turno. "O PT sempre usou isso (notícias falsas) para destruir a reputação dos outros. Ele está experimentando do veneno que espalhou antes", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade