Publicidade

Correio Braziliense

Ernesto Araújo será ministro das Relações Exteriores de Bolsonaro

O diplomata era considerado para o cargo desde a campanha devido à sua simpatia ao governo do presidente norte-americano, Donald Trump


postado em 14/11/2018 16:35 / atualizado em 14/11/2018 17:04

(foto: Reprodução/YouTube)
(foto: Reprodução/YouTube)
 
O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou, em sua conta no Twitter, que o embaixador Ernesto Araújo será o próximo ministro das Relações Exteriores. A publicação foi feita na tarde desta quarta-feira (14/11). Segundo o tuíte de Bolsonaro, a política externa brasileira deve ser "parte do momento de regeneração que o Brasil vive hoje". O presidente eleito classificou o embaixador, de 51 anos, como "brilhante intelectual".

 

 
Diplomata "trumpista"  

Araújo é diplomata há quase 30 anos e dirige o Departamento de Estados Unidos, Canadá e Assuntos Interamericanos do Itamaraty. Ele estava no radar de Bolsonaro desde a campanha presidencial, como noticiou o Correio no inicío de outubro. O diplomata agradou ao presidente eleito pelo alinhamento demonstrado com o governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Ele enviou à cúpula da campanha do então presidenciável o artigo Trump e o Ocidente, de sua autoria, que deixou os responsáveis pelo programa de governo e análises bem impressionados. “O presidente Donald Trump propõe uma visão do Ocidente não baseada no capitalismo e na democracia liberal, mas na recuperação do passado simbólico, da história e da cultura das nações ocidentais”, afirma o texto. Bolsonaro é admirador confesso do presidente norte-americano.
 
Araújo também é conhecido por ter um blog onde não esconde seu apoio a Jair Bolsonaro. Na apresentação, o diplomata declara: “Sou Ernesto Araújo. Tenho 28 anos de serviço público e sou também escritor. Quero ajudar o Brasil e o mundo a se libertar da ideologia globalista. Globalismo é a globalização econômica que passou a ser pilotada pelo marxismo cultural. É um sistema anti-humano e anticristão”. 

À frente do Itamaraty, Araújo será responsável por ditar as relações com outros países. Antes de assumir o Palácio do Planalto, Bolsonaro já criou atritos e desgastes com outros países. Caberá ao novo chefe do Itamaraty diminuir as turbulências no cenário internacional. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade