Publicidade

Correio Braziliense

Gustavo Henrique Canuto será ministro do Desenvolvimento Regional

A nova pasta deve agrupar as funções desempenhadas atualmente pelo Ministério das Cidades e da Integração


postado em 28/11/2018 16:01 / atualizado em 28/11/2018 17:17

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
  
Gustavo Henrique Rigodanzo Canuto, servidor do Ministério do Planejamento, foi anunciado como futuro ministro do Desenvolvimento Regional. A divulgação foi feita na tarde desta quarta-feira (28/11) pelo Twitter do presidente eleito Jair Bolsonaro. A nova pasta reunirá os atuais ministérios das Cidades e da Integração Nacional

Contando com o Banco Central (BC) e a Advocacia-Geral da União (AGU), esse é o 17º comando de pasta anunciado. “Informo a todos a indicação do Sr. Gustavo Henrique Rigodanzo Canuto, servidor efetivo do Ministério do Planejamento com ampla experiência, para o Ministério do Desenvolvimento Regional. Boa tarde!”, escreveu Bolsonaro.
 
  
 
Gustavo Canuto é formado em Engenharia de Computação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e em Direito pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). 
 
Nos últimos dois anos, foi chefe de gabinete do Ministro da Integração Nacional. Também já assumiu compromissos de trabalho nas Secretarias de Aviação Civil e Geral da Presidência da República, além da Agência Nacional de Aviação Civil, segundo seu perfil na página do Ministério da Integração.  
 
Na mesma tarde, a equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou também os futuros ministros da Cidadania e Trabalho, Osmar Terra, e do Turismo, Marcelo Álvaro (PSL). 
 
Em entrevista coletiva no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) — onde ocorrem as reuniões do governo de transição — Canuto ressaltou que a pasta vai abrigar o atual Ministério de Integração Nacional e o Ministério da Cidades. “Ou seja, vamos unir, finalmente, as políticas nacional de desenvolvimento regional e de desenvolvimento urbano. Afinal de contas, não há um metro quadrado desse país que não tenha um município”, disse.
 
De acordo com ele, as políticas associadas vão trazer muito mais benefícios à população brasileira. “A ideia principal é infraestrutura produtiva, possibilitando a identificação das cadeias, investindo onde precisa para que a população possa de fato ter os benefícios dos estado”, afirmou Canuto. “O Ministério vai ter como objetivo potencializar essas especialidades como foco trazer o desenvolvimento econômico, emprego, renda. Esse é o objetivo principal do governo”, completou.
 
Canuto ficará no comando do programa Minha Casa Minha Vida, que atualmente é do responsabilidade do Ministério das Cidades. O futuro ministro destacou que ainda não conversou com o presidente eleito, Jair Bolsonaro, sobre programas ligados às áreas sociais. De acordo com ele, a indicação para o cargo ocorreu depois de análise técnica da equipe de transição. O Ministério do Desenvolvimento Regional vai manter todas as atuais secretarias contidas nos dois ministérios: Integração Nacional e Cidades. 
 
Com informações da Agência Estado.  
 

 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade