Publicidade

Correio Braziliense

Marcelo Álvaro Antônio será ministro do Turismo, anuncia Onyx

Marcelo é o o 19º ministro anunciado da gestão Bolsonaro e o segundo do PSL, partido de Bolsonaro


postado em 28/11/2018 16:49 / atualizado em 28/11/2018 19:23

(foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
(foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
 

O ministro extraordinário do governo de transição, Onyx Lorenzoni, anunciou o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG) como futuro Ministério do Turismo, na tarde desta quarta-feira (28/11). Segundo Onyx, o nome de Antônio foi apoiado por todo segmento do turismo e pela bancada do setor. Marcelo é o o 19º ministro anunciado da gestão Bolsonaro. 

 

Apoiado por "todo o segmento" do turismo no Brasil e pela Frente Parlamentar em Defesa do Turismo, segundo Lorenzoni, o deputado Álvaro Antônio (MG) assumirá o comando da pasta. A ideia, anunciada pela cúpula do governo, é de que o novo membro da pasta se preocupe em criar emprego e renda. "Irá buscar desenvolver esse círculo de comércios e negócios tão verturoso que, como em outros países do mundo, o Brasil possui grandes oportunidades" afirmou Lorenzoni.  

 

Ele é o segundo ministro filiado ao PSL, partido do presidente eleito, escolhido para fazer parte do governo. O primeiro é o futuro ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno.

 

O futuro ministro se reelegeu para a Câmara dos Deputados neste ano, aos 44 anos, com mais de 230 mil votos — a maior votação obtida em Minas Gerais por um candidato a deputado federal. Ele está na Câmara desde 2014, onde integrou as comissões de Minas e Energia, Finanças e Tributação, Viação e Transportes, além de comissões externas sobre o Zika vírus e a situação hídrica dos municípios de Minas Gerais. 

 

Marcelo foi eleito vereador por Belo Horizonte em 2012. O futuro ministro não completou a graduação em Engenharia Civil pela UniBH.

 

Na mesma coletiva de imprensa, a equipe do presidente eleito anunciou também os futuros ministros do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, e da Cidadania e Trabalho, Osmar Terra.  

 

O anúncio dos três novos ministros foi feito por Lorenzoni a pedido do próprio presidente eleito. Bolsonaro procura afastar a ideia de enfraquecimento do futuro ministro da Casa Civil. A escolha do Turismo contemplou a bancada do PSL que, em certa medida, reivindicava mais espaço no governo. 

 

Coletiva 

De acordo com futuro ministro do Turismo, ele foi escolhido após indicações da frente parlamentar em defesa do Turismo. “Eu considero que a indicação feita do meu nome para o ministério do turismo não foi feita em função do PSL”, alegou. Até então, apenas deputados do DEM tiveram cargos no futuro governo. Álvaro Antônio negou que isso gerou desconforto com a base do partido do Bolsonaro. As declarações foram dadas durante coletiva de imprensa no fim da tarde desta quarta-feira (28/11) no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB).

 

“(Minha indicação) Não contempla nenhum partido e nenhum estado”, afirmou o deputado Marcelo Álvaro Antônio. Sobre a Embratur, o futuro ministro disse que vai fazer um “grande diagnóstico” de toda a situação e todos os órgãos relacionados à pasta para tomar as decisões. “Vou participar agora mais efetivamente na transição para que a gente possa fazer um diagnóstico e, a partir de então, fazer um planejamento para os próximos anos para o turismo no Brasil”, alegou.

 

O futuro ministro ainda ressaltou que vai brigar para que o Ministério do Turismo tenha aporte de recursos, “tendo em vista que o turismo vai participar desse momento de resgate e de recolocar o Brasil na rota do desenvolvimento”. “Essa briga orçamentária já começa a partir de agora na CMO (Comissão Mista de Orçamento)”, disse Marcelo Álvaro Antônio.  

 

Com informações da Agência Estado. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade