Publicidade

Correio Braziliense

Em bilhete, Lula se diz orgulhoso de Zeca Dirceu por Guedes 'tchutchuca'

'Eu fiquei tão orgulhoso de você, que vou aprender a música da 'tchutchuca e o tigrão', escreveu o ex-presidente


postado em 09/04/2019 13:43 / atualizado em 09/04/2019 13:45

A imagem do papelzinho com o texto foi publicada no Twitter do partido de Lula(foto: Nelson Almeida/AFP e reprodução/Twitter)
A imagem do papelzinho com o texto foi publicada no Twitter do partido de Lula (foto: Nelson Almeida/AFP e reprodução/Twitter)
 

 

O PT divulgou, nesta terça-feira (9/4), um bilhete manuscrito cuja autoria atribui a Luiz Inácio Lula da Silva e no qual o ex-presidente parabeniza o deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR) por chamar o ministro da Economia Paulo Guedes de "tchutchuca". A imagem do papelzinho com o texto foi publicada no Twitter do partido.

"Querido Zeca, estou muito orgulhoso da sua Bancada do PT, que teve um papel extraordinário no debate sobre a Previdência com o Guedes, 'o destruidor os pobres'. Zeca, parabéns por compará-lo a uma 'tchutchuca' na relação dele com os empresários", escreveu Lula, que está preso há um ano na Superintendência Regional da Polícia Federal em Curitiba, base da Operação Lava-Jato. "Eu fiquei tão orgulhoso de você, que vou aprender a música da 'tchutchuca e o tigrão'. Kkkk Abraços, Lula. 04/04/2019."

 

 

Entenda


No dia 3 de abril, durante audiência pública sobre a reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça, na Câmara, Paulo Guedes caiu em uma provocação de Zeca Dirceu, que o acusou de ser "tigrão" com os aposentados, idosos de baixa renda e agricultores, mas "tchutchuca" com privilegiados.

O ataque do petista, filho do ex-ministro, José Dirceu, também condenado na Lava-Jato, levou à explosão final de Guedes que reagiu com destempero fora do microfone. "Eu não vim aqui para ser desrespeitado, não. (…) tchutchuca é a mãe, é a avó, respeita as pessoas. (…) Isso é ofensa. Eu respeito quem me respeita. Se você não me respeita, não merece meu respeito", afirmou o ministro na ocasião.

Zeca começou as críticas perguntando a razão pela qual Guedes começou as reformas com a da Previdência e não alterações que afetassem os banqueiros. A partir daí, o clima ficou insustentável e o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), teve que acabar com a audiência.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade