Publicidade

Correio Braziliense

Presidente dos Correios anuncia demissão no Twitter e envia carta a funcionários

Virtualmente demitido na sexta-feira (14/6), Cunha foi trabalhar normalmente na segunda-feira (17/6). 'Só vou sair daqui a hora que chegar oficialmente', disse na ocasião


postado em 19/06/2019 11:40 / atualizado em 19/06/2019 16:04

(foto: Reprodução/Twitter)
(foto: Reprodução/Twitter)

 
O presidente dos Correios, o general Juarez Cunha, anunciou, nesta quarta-feira (19/6), que está de saída da empresa, após ter sido demitido virtualmente pelo presidente Jair Bolsonaro, na última sexta-feira.

Durante a madrugada, em suas redes sociais, o general  comentou o afastamento. "Caros amigos! Hoje me afasto dos Correios. Foram 7 meses de alegria, obtivemos excelentes resultados, conduzimos a recuperação da Empresa e fizemos grandes amigos. Saldo muito positivo e a certeza que vocês continuarão no cumprimento da missão. Um abraço a todos!", escreveu.
 
 

Em carta aos funcionários, Juarez Cunha escreveu que "obteve eco positivo no âmbito da maioria do dos empregados" e que "se não fosse para exercitar minhas firmes convicções, não poderia ser presidente dos Correios". Cunha se despediu com uma modificação do bordão do governo Bolsonaro: "Brasil acima de tudo! Correios no coração de todos!" 

A demissão do general acontece depois de Bolsonaro ter afirmado, em café da manhã com jornalistas na sexta-feira, que demitiria Cunha porque o presidente da estatal teve comportamentos "sindicalistas". Os comportamentos sindicalistas a que Bolsonaro se referiu são gestos de Cunha em audiência pública na Câmara. O presidente dos Correios tirou foto com parlamentares da oposição (PT e PSOL) afirmou que a empresa não seria privatizada, o que vai contra os planos do governo e do ministro da Economia, Paulo Guedes. 

Na terça-feira (18/6), o general chegou a ir trabalhar normalmente nos Correios. Em palestra fechada à imprensa, mas a que o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso, ele afirmou que só sairia da empresa após pedido formal. "Só vou sair daqui a hora que chegar oficialmente. Aí eu saio, senão, não saio, não". Terminou o evento aplaudido e vestindo um boné de carteiro. Na véspera, ele havia sido presenteado com um selo com seu rosto estampado pela Superintendência dos Correios do Amazonas.

No evento, o ex-presidente voltou a bater na tecla da privatização dos Correios e afirmou que a decisão era uma promessa de campanha de Bolsonaro que ele deveria cumprir. 

O porta-voz da presidência, Otávio Rego Barros, informou durante a noite de segunda-feira que o presidente ainda não decidiu quem entrará no lugar de Juarez. 
 
* Estagiária sob a supervisão de Vinicius Nader 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade