Publicidade

Correio Braziliense

Deputado do PT protocola pedido para que se retenha passaporte de Dallagnol

Pedido ocorre após o procurador recusar convite de ir à Câmara dos Deputados e novas conversas indicarem que ele lucrou com palestras a partir da exposição alcançada com a Lava-Jato


postado em 15/07/2019 15:44 / atualizado em 15/07/2019 15:53

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
O deputado Rogério Correa (PT-MG) protocolou, nesta segunda-feira (15/7), na Câmara dos Deputados, um pedido para que o passaporte do procurador Deltan Dallagnol seja retido, após ele recusar convite para ir à Casa explicar supostos diálogos com o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro. 

O pedido do parlamentar foi feito na Comissão de Direitos Humanos. "Dallagnol tem tempo para responder a órgãos de imprensa, mas não demonstra boa vontade para falar com parlamentares, o que afronta a democracia. Acusações são cada vez mais graves, precisamos da garantia de que ele não poderá deixar o país, como aliás fez Moro no sábado", alega. O ministro da Justiça tirou férias de cinco dias e viajou aos Estados Unidos.
 
 

Em sua conta no Twitter, o parlamentar lembrou a recusa do procurador de ir até a comissão. "Dallagnol se recusa a ir à Câmara dar explicações sobre as denúncias. E se inventarmos e dissermos a ele que tem cachê? Será que assim ele vai?", questionou.
 
 

Vaza-Jato

Desde 9 de junho, o site The Intercept Brasil passou a divulgar uma série de troca de mensagens entre procuradores de Justiça envolvidos na Operação Lava-Jato e o então juiz Sérgio Moro. De acordo com o portal, os arquivos sugerem que o atual ministro da Justiça agiu como chefe dos procuradores, o que não é tatrefa de um juiz durante uma ação.

Sérgio Moro e a força tarefa da operação negam que houve conluio nas ações da Lava-Jato. O ex-juiz federal já foi, como convidado, à Câmara dos Deputados e ao Senado Federal explicar os diálogos. Deltan, no entanto, se recusou

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade