Publicidade

Correio Braziliense

Em Barretos, Bolsonaro volta a dizer que não demarcará terras indígenas

O presidente participou da abertura 64ª Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos, onde foi homenageado


postado em 17/08/2019 22:02 / atualizado em 17/08/2019 22:38

Em seu discurso, o presidente da República voltou a dizer que não fará demarcação de terras indígenas(foto: Clauber Cleber Caetano/PR)
Em seu discurso, o presidente da República voltou a dizer que não fará demarcação de terras indígenas (foto: Clauber Cleber Caetano/PR)
O presidente Jair Bolsonaro participou, na noite deste sábado (17/8), da 64ª Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos, onde discursou pela segunda vez em um dia de agenda cheia. Na abertura do evento, também recebeu um diploma de agradecimento pelo apoio ao rodeio e à vaquejada, e assinou um decreto que "dispõe sobre a avaliação de protocolos de bem-estar animal elaborados por entidades promotoras de rodeios pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento".


Em seu discurso, voltou a dizer que não fará demarcação de terras indígenas. "Esse momento em que todos criticam as festas de peão ou a vaquejada, com orgulho e estou com vocês. Pra nós, não existe politicamente correto. Faremos o que tem que ser feito. Pela ocasião do encontro G20 em Osaka, pela primeira vez na vida, os poderosos do mundo receberam o presidente da República do Brasil em pé de igualdade. Não voltei pra cá para demarcar terras indígenas ou quilombolas. O meio ambiente pode e vai causar o desenvolvimento", prometeu.

"Enquanto eu for presidente, o desenvolvimento estará acima de tudo. E dizer que por amor a vocês, eu farei aqui, o que tem que ser feito. Vocês contam com uma pessoa que teve a honra e a liberdade de escolher um ministério alinhado com os interesses do Brasil e um presidente honrado com o que prometeu na campanha. Minha promessa é com a simplicidade, com a fé. É fazer com que vocês se orgulhem de ser brasileiros. A nossa bandeira verde e amarela orgulha a todos nós. Obrigado a deus pela minha vida. Em grande parte, é pelas suas mãos, estou na situação que me encontro. Brasil acima de tudo, Deus acima de todos", discursou.

Mais cedo, em Resende (RJ), o presidente participou da cerimônia de entrega de espadins aos cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman). Na solenidade, Bolsonaro discursou para a corporação e destacou que as Forças Armadas são defensoras da democracia. "As Forças Armadas, em todo o momento em que a pátria assim as requereu, não faltaram com o compromisso de lealdade ao seu povo, de cumprir a missão em defesa da democracia e da liberdade. Vocês, daqui sairão para os quatro cantos deste nosso querido Brasil, levar sangue novo a este povo", disse o presidente.

"Em especial, há aqueles que irão para a nossa rica e cobiçada Amazônia. Nós temos compromisso com este pedaço de terra mais rico e sagrado do mundo. Não é à toa que outros países cada vez mais tentam ganhar a guerra da informação para que nós venhamos a perder a soberania sobre essa área", completou Bolsonaro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade