Publicidade

Correio Braziliense

''Não quero tomar o partido de ninguém'', diz Bolsonaro sobre PSL

Presidente comentou que, por enquanto, ''está tudo em paz'' entre ele e o partido. Chefe do Executivo federal voltou a defender transparência dentro da sigla


postado em 16/10/2019 10:34

(foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil )
(foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil )
O presidente Jair Bolsonaro disse, na manhã desta quarta-feira (16/10), que não pretende promover mudanças dentro da Executiva nacional do PSL. Desde a semana passada, o chefe do Palácio do Planalto está em pé de guerra com o partido que o elegeu, e tem cobrado que a sigla seja mais transparente com a utilização dos recursos públicos que recebe mensalmente.

 

“O partido tem que fazer a coisa que tem que ser feita, normal. Não tem que esconder nada. Eu não quero tomar partido de ninguém. Agora, transparência faz parte, o dinheiro é público, R$ 8 milhões”, declarou Bolsonaro, em frente ao Palácio da Alvorada.

 

O presidente negou que esteja “tumultuando a relação” com o partido. De acordo com Bolsonaro, pelo menos por enquanto, “está tudo em paz” entre ele e o deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE), presidente da sigla. Ele também disse não guardar mágoa de ninguém. Contudo, reforçou o desejo por transparência.

 

“Ah, o presidente falou em transparência. Eu falei, sim, em transparência. Então, vamos mostrar as contas e não ficar, como a gente vê notícias por aí, expulsa de lá, tira da comissão, vai retaliar”, criticou. “Não defendo nada, não quero saber de nada. Eu só quero transparência”, acrescentou.

 

Na última sexta-feira (11/10), Bolsonaro assinou um requerimento no qual pede que Luciano Bivar apresente a prestação de contas do partido nos últimos cinco anos para tornar públicas informações relevantes sobre as finanças do PSL. Além dele, 21 parlamentares assinaram o documento, como o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

 

O requerimento será submetido a uma auditoria externa. Dessa forma, os deputados federais do partido poderiam se basear em eventuais irregularidades para solicitar desfiliação da sigla por justa causa, sem que haja perda de mandato.

 

Em retaliação aos deputados federais que firmaram o documento, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), formalizou na quinta-feira da semana passada (10/10) o desligamento de alguns parlamentares do partido de comissões que integravam na Casa. Os afastados foram Filipe Barros (PSL-PR), Carlos Jordy (PSL-RJ), Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Bibo Nunes (PSL-RS) e Alê Silva (PSL-MG).

 

Bivar e Polícia Federal

Ao mesmo tempo que enfrenta a desconfiança de uma parte do PSL, Luciano Bivar é alvo de investigação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Pernambuco. Na terça-feira (15/10) o órgão autorizou nove mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao presidente do PSL, como a casa dele em Jaboatão dos Guararapes (PE) e a sede do partido em Recife, foram cumpridos pela Polícia Federal.

 

A operação, intitulada Guinhol, investiga esquema de candidaturas laranjas e de desvio do fundo partidário destinado a candidaturas femininas do partido nas eleições de 2018 no estado nordestino. “Tendo em vista que ao menos 30% dos valores do Fundo Partidário deveriam ser empregados na campanha das candidatas do sexo feminino, há indícios de que tais valores foram aplicados de forma fictícia objetivando o seu desvio para livre aplicação do partido e de seus gestores”, informou a Polícia Federal, em nota.

 

Em nota, o escritório do advogado Ademar Rigueira, que faz a defesa de Luciano Bivar e do PSL em Pernambuco, disse ver com “estranheza” o momento em que a operação foi realizada, tendo em vista que o partido passa por um momento de conflito com o Poder Executivo. “A busca é uma inversão da lógica da investigação, vista com muita estranheza pelo escritório (de defesa), principalmente por se vivenciar um momento de turbulência política”, destacou um trecho do documento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade