Publicidade

Correio Braziliense

Áudios mostram que Bolsonaro articulou troca de liderança do PSL na Câmara

Em conversas vazadas, presidente contatou parlamentares filiados ao PSL a fim de conseguir assinaturas para derrubar Delegado Waldir (PSL-GO) do posto de líder do partido na Câmara


postado em 17/10/2019 11:00 / atualizado em 17/10/2019 11:07

(foto: Isac Nóbrega/PR)
(foto: Isac Nóbrega/PR)
Diálogos do presidente Jair Bolsonaro com um deputado federal do PSL foram vazados, na noite de quarta-feira (16/10), pela Revista Crusoé, nos quais ele tenta convencer os parlamentares a assinar uma lista para destituir Delegado Waldir (PSL-GO), do cargo de líder da legenda na Câmara. Em um dos áudios, o chefe do Palácio do Planalto reclama que “o humor desse cara muda (Delegado Waldir), de uma hora para outra, muda”.

 

“Que poder tem na mão, atualmente, o presidente, o líder aí? É o poder de indicar pessoas, de arranjar cargo no partido, é promessa para fundo eleitoral por ocasião das eleições. É isso que o cara tem, mas você sabe que o humor desse cara muda, de uma hora para outra, muda”, comentou Bolsonaro, durante a conversa com o deputado federal.

 

O presidente disse que, na hora do diálogo, já contava com 26 assinaturas. “Falta uma assinatura para a gente tirar o líder, tá certo? E botar o outro. E a gente acerta e, entrando o outro agora, em dezembro tem eleições para um futuro líder, a partir do ano que vem”, afirmou o presidente. “Vou ligar para outras pessoas. Até, quem sabe, que passe aí do... Tem um número com folga até. Mas se fechar agora, já tem o suficiente (para retirar Delegado Waldir da liderança do PSL na Câmara)”, acrescentou.

 

Para Bolsonaro, retirar o Delegado Waldir do posto é uma maneira de o PSL reagir dentro da Câmara. Na terça-feira (15/10), o deputado havia orientado correligionários da Casa a votar contra uma medida provisória assinada pelo presidente que reformula a estrutura do governo federal. A atitude foi uma resposta à operação deflagrada pela Polícia Federal no mesmo dia contra o dirigente do PSL, Luciano Bivar (PSL-PE), e adiou a votação da MP por duas horas. Contudo, a obstrução caiu.

 

“Ou a gente reage agora, numa boa, porque é uma medida legal. Precisa de lista pra... Eu nunca fui favorável a lista não, pra deixar bem claro. Sou favorável à eleição direta. Mas, no momento, você não tem outra alternativa, só tem a lista”, ressaltou Bolsonaro.

Liderança em conflito

Ainda na noite de quarta-feira, o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), protocolou um requerimento com a assinatura de 27 parlamentares para formalizar a troca da liderança do PSL na Câmara. Os deputados também entraram em acordo para que Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho mais novo do presidente, assumisse o posto de líder da sigla na Casa.

 

Sabendo da lista, Delegado Waldir reagiu e também apresentou um documento no qual 32 deputados filiados ao PSL pedem a sua permanência como líder do partido. Somando os resultados das duas listas, os requerimentos contam com 58 assinaturas, cinco a mais que o número de deputados federais da sigla.

 

Por fim, uma terceira lista foi protocolada, desta vez pela deputada Carla Zambelli (PSL-SP). O requerimento apresentado por ela conta com 27 assinaturas, e também pede a alteração na liderança do PSL.  Dessa forma, ainda não está claro qual das três listas será referendada pela Casa. Esta decisão deverá ser tomada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele é o responsável por validar qualquer mudança de líder de partido.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade