Publicidade

Correio Braziliense

Em crise, PSL realiza convenção da Executiva Nacional em Brasília nesta sexta

São esperados 40 correligionários da sigla, entre eles aliados ao presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), e ligados ao presidente da República


postado em 18/10/2019 11:39 / atualizado em 18/10/2019 11:39

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), disse que a Executiva deve tratar de questões como compliance e estatuto(foto: Renato Costa /Framephoto/Estadão)
O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), disse que a Executiva deve tratar de questões como compliance e estatuto (foto: Renato Costa /Framephoto/Estadão)
O partido do presidente Jair Bolsonaro, o PSL, realiza nesta sexta-feira (18/10), convenção de sua Executiva Nacional na sede da legenda em Brasília. São esperados 40 correligionários da sigla, entre eles aliados ao presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), e ligados ao presidente da República. Os dois grupos são antagonistas e têm enfrentado uma série de embates nas duas últimas semanas.

Na pauta do dia deve entrar a destituição dos filhos do presidente, o senador Flávio e o deputado Eduardo, dos comandos dos diretórios estaduais do Rio de Janeiro e São Paulo. Apesar de Bivar afirmar que ainda não foi batido o martelo em relação a esses desligamentos, aliados já dão como certos.

Ao chegar à convenção na manhã desta sexta, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), disse que a Executiva deve tratar de questões como compliance e estatuto. "Vamos ter uma reunião hoje do partido e quem vai comandar é Bivar", disse.

Ao responder sobre novas listas que o grupo ligado a Bolsonaro está produzindo para tirá-lo da liderança, ele afirmou que isso para ele é indiferente, mas disse que será difícil se manter no posto, já que Bolsonaro e seus ministros estão, segundo ele, ligando para deputados pedindo para que eles assinem a lista. "É uma batalha que nem Davi enfrentou", disse.

Waldir disse ainda que o grupo do qual ele faz parte, o ligado a Bivar, irá votar com o governo apenas em pautas em que houver convergência e sinalizou que ocorrerão divergências em questões como às ligadas à Justiça. "Por exemplo, tirar o Coaf do Moro", disse sobre um tema do qual o grupo não irá concordar. O deputado voltou a falar que sempre foi fiel ao presidente Bolsonaro, mas que, como líder, nunca foi chamado ao Planalto pra discutir pautas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade