Publicidade

Correio Braziliense

Eduardo Bolsonaro corre na Câmara para fugir de perguntas da imprensa

O parlamentar tentou colocar o líder do governo, Major Vitor Hugo para falar, mas quando os jornalistas insistiram em conversar com o parlamentar, ele disse que não falaria e saiu apressado


postado em 22/10/2019 16:10 / atualizado em 22/10/2019 16:38

A tentativa de entrevistar o líder durou 29 segundos(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A tentativa de entrevistar o líder durou 29 segundos (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O novo líder do PSL na Câmara, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) saiu da reunião de líderes da Câmara, no início da tarde desta terça-feira (22/10) fugindo da imprensa. Tentou, até, colocar o líder do governo, Major Vitor Hugo para falar, mas quando os jornalistas insistiram em conversar com o parlamentar, ele disse que não falaria e saiu apressado.

A tentativa de entrevistar o líder durou 29 segundos. A primeira pergunta feita foi sobre o acordo para adiar a votação do PL das armas. "A liderança do governo está aqui, ó. Vitor Hugo, estão pedindo a opinião do governo sobre o PL das armas", afirmou. Os jornalistas insistiram, perguntaram qual eram as prioridades do partido. "Tem várias prioridades" disse. "Não. Não vou falar com vocês não", emendou.



A líder da minoria na Câmara, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), já havia comentado a participação do novo líder do PSL na reunião. Segundo ela, ele demorou a sentar na cadeira e depois, diante dos outros líderes partidários, também se manteve calado. "O líder demorou a sentar na cadeira, sentou, não falou nada. Parece que não entendeu o que está fazendo ali. Se é que vai ficar líder, pois já tem mais duas listas", comentou a parlamentar.

Depois, Jandira ainda voltou ao tema mais uma vez, afirmando que a crise do PSL não interferiu na reunião de líderes. "Eles estão brigando e a gente não sabe o que vai acontecer. Briga do PSL, eles que resolvam. Parece que estão pouco preocupados com o brasil, com o povo, mas com a briga deles. Mas o líder ficou calado. Acho que não tem opinião a dar", alfinetou.

As opiniões seriam sobre o PL das armas, o desastre ambiental no Nordeste, a cessão da Base Militar de Alcântara aos americanos e a securidade, temas tratados no encontro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade