Publicidade

Correio Braziliense

''Componente político não é saudável'', diz advogado de miliciano morto

Ao ser questionado sobre falas do presidente Jair Bolsonaro sobre caso, Paulo Emílio Catta Preta diz acreditar que pedidos, dentre eles o de perícia independente, são prejudicados pelo contexto político


postado em 18/02/2020 13:29

(foto: Carolina Antunes/PR)
(foto: Carolina Antunes/PR)
O advogado do miliciano Adriano Magalhães de Nóbrega, morto em uma ação registrada como confronto contra a Polícia Militar da Bahia (PM-BA), no município de Esplanada, no último dia 9, disse em entrevista, nesta terça-feira (18/2), que "o componente político não é saudável para a solução do caso". "Nossa atuação é técnica, jurídica. Talvez se o caso não estivesse em tanta evidência, certamente meus pedidos já teriam sido deferidos, imagino", disse.

 

A afirmação foi feita ao ser questionado sobre falas do presidente da República, Jair Bolsonaro sobre o caso. Na manhã deste terça-feira, em tradicional entrevista a jornalistas em frente ao Palácio da Alvorada, o chefe do Executivo disse que já tomou as providências legais para que seja feita uma perícia independente.

É justamente isso que a família de Adriano pede judicialmente. O advogado Catta Preta explicou que a defesa solicita a preservação do corpo, que está no Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro, a autorização para se fazer uma perícia independente dentro do próprio IML e uma perícia de local de crime. 

 

"Não posso fazer uma análise do comportamento do presidente, porque não sou amigo... Não sou nem eleitor dele", disse o advogado, ainda respondendo a mesma pergunta. E completou: "O que interessa não é isso. A questão é das autoridades a quem eu tenho pedido que examinem com rigor esse pedido e garantam à família esse direito de fazer a perícia", pontuou.

O defensor disse acreditar que se o caso tivesse menos repercussão, ou fosse desconhecido, talvez os pedidos já teriam sido deferidos. Para ele, a situação pressiona as autoridades. "Não quero ser leviano. É avaliação pessoal minha", disse.

 

 

Queima de arquivo

O advogado voltou a falar sobre as afirmações de Adriano Nóbrega dias antes de morrer, quando manifestou um medo de ser morto. Segundo ele, a suspeita de que a morte de Adriano tenha sido queima de arquivo surge devido às informações ditas pelo próprio miliciano no último dia 5, em última conversa por telefone com o advogado.

"Uma coisa é uma pessoa dizer que tem medo de ser morto e uma semana depois essa pessoa morrer. O contexto da informação para mim foi distinto. A partir daí é que essa dúvida cresceu", disse. 

 

 

Até o momento, além de não ter sido autorização para fazer uma nova perícia do corpo, o advogado afirma que teve negado o pedido de acesso à investigação da Bahia. Catta Preta diz não saber se os exames, como o residuográfico das mãos (para ver presença de pólvora), foram realizados. 

 

Ainda assim, ele diz que a suspeita de queima de arquivo se torna robusta com a divulgação das fotos do ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), do RJ, reveladas pela revista Veja. O advogado afirma que para ele, e para peritos consultados, "há elementos ali que merecem no mínimo uma reavaliação, elucidação ou análise mais profunda". O advogado cita sete costelas quebradas, a dinâmica de um disparo de arma de fogo e a proximidade. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade