Politica

Casa Civil anula nomeação feita por Regina Duarte

Decisão foi publicada na noite desta segunda-feira (9/3) no Díário Oficial da União. Carminha Brant atuou no governo Temer e já integrou equipe que elaborou programa de governo do ex-senador Aécio Neves durante campanha presidencial de 2014. Ministro rebate declaração da atriz de há uma facção no governo

Sarah Teófilo, Augusto Fernandes
postado em 09/03/2020 22:14
uma mulher sorrindoO governo anulou nesta segunda-feira (9/3) nomeação autorizada pela Secretária Especial de Cultura, Regina Duarte. A atriz havia escolhido a assistente social Maria do Carmo Brant de Carvalho, ou Carminha Brant, para o cargo de secretária da Diversidade Cultural. Maria do Carmo é doutora em serviço social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e pós-doutora na área de ciências sociais. A anulação do ato foi assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto.
Maria do Carmo foi secretária de Assistência Social do Ministério de Desenvolvimento Social e Agrário no governo do ex-presidente Michel Temer. Ela também atuou na equipe que elaborou o programa de governo do ex-senador Aécio Neves (PSDB) durante a campanha presidencial de 2014. Ela cuidava do trecho relativo às propostas de políticas sociais, área na qual possui diversos livros.
Antes de a nomeação se tornar sem efeito, o Correio procurou a Secretaria Especial da Cultura e perguntou o motivo pelo qual Maria do Carmo Brant foi escolhida para o cargo e quais as experiências a pós-doutora possui na área cultural. A assessoria de imprensa da pasta não soube dizer qual a experiência da então secretária nomeada. Por telefone, a assessoria afirmou que ;a área de diversidade cultural é para trabalhar justamente a inclusão, e a inclusão vai ser feita pela arte;. ;E ela tem vasta experiência em inclusão associada a vários elementos de cultura;, informou.

A reportagem questionou novamente sobre a experiência de Maria do Carmo especificamente em temas culturais, ao que a assessoria afirmou que ela possui vasta experiência na área de assistência social, sobretudo com inclusão. ;E para a inclusão vai ser usada a cultura em todos os seus aspectos. Por isso ela foi a escolhida;, afirmou.Questionada mais uma vez sobre a experiência de Carminha Brant na área cultural, a assessoria disse que reiterava a resposta anterior, sem falar sobre atuação específica da mulher na cultura.

No site do Ministério do Turismo, onde fica vinculada a Secretaria da Cultura, foi publicado um breve resumo sobre a nova secretária. O texto diz que a pós-doutora possui ampla experiência na área de gestão social pública, assistência social, educação e habitação de interesse social, mas não cita cultura. Um trecho pontua que Maria do Carmo já foi superintendente do Centro de Estudos e Pesquisa em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), uma organização sem fins lucrativos cujo objetivo é desenvolver pesquisas e projetos voltados à melhoria da qualidade da educação pública.
O texto diz ainda que ela ;ficará responsável pelas políticas para a diversidade e cidadania culturais, além de articular e coordenar ações voltadas à promoção do desenvolvimento humano, por meio do fomento às expressões culturais populares;. O cargo de Carminha era antes ocupado pela reverenda Jane Silva. A nomeação foi assinada pelo ministro Walter Braga Netto, na última sexta-feira (6/3), mas foi revogada nesta segunda-feira.

Intriga com Camargo

Há poucos dias à frente da Secretaria Especial da Cultura, Regina Duarte enfrenta os primeiros desgastes no governo. Ontem, o presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, respondeu às declarações da atriz, feitas em entrevista ao programa Fantástico, na qual Regina diz que iria resolver o ;problema; da Palmares. Ao ser questionada sobre a presença de Camargo à frente da instituição cultural, e se o manteria no posto, Regina respondeu que ele ;é um ativista, mais do que gestor público;. Para ela, esse tipo de atitude não cabe a uma pessoa com cargo dentro do governo.
;Voltamos aí a essa situação da política, que interfere no fazer cultural, na medida que temos uma pessoa que é um ativista, mais que um gestor público. Estou adiando esse problema porque essa é uma situação muito aquecida. Não quero que esse desequilíbrio que eu tô percebendo aí ganhe mais espaço;, disse Regina. A atriz também relatou dificuldades de trabalhar em razão de uma ;facção que quer ocupar esse lugar.;
Nas redes sociais, as declarações de Regina Duarte repercutiram entre integrantes do governo e apoiadores do presidente Bolsonaro. O ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, repudiou a menção a facções na Esplanada. ;O uso do termo ;facção; em entrevista, sem nomear seus supostos integrantes, dá a entender que há divisões inexistentes e inaceitáveis em nosso governo;, escreveu Ramos.
Mais cedo, Sérgio Camargo ironizou a chefe da Secretaria Especial da Cultura. ;Bom dia a todos, exceto a quem chama apoiadores do Bolsonaro de facção e o negro que não se submete aos seus amigos da esquerda de ;problema que vai resolver;;, comentou o presidente da Palmares, em uma rede social.
O posicionamento de Regina repercutiu, ainda, com o escritor Olavo de Carvalho, guru do presidente Jair Bolsonaro. Também pelas redes sociais, ele atacou a atriz. ;A Regina Duarte age como se o seu emprego no governo lhe pertencesse por direito natural contestado apenas por ;uma facção bolsonarista;, quando na verdade foi essa facção, representada pelo presidente (Jair Bolsonaro), quem lhe deu o emprego;, ponderou. Carvalho acrescentou que, a partir da postura de Regina, ela é quem não deveria fazer parte do governo federal. ;A óbvia inversão psicótica da realidade mostra que a véia não está boa da cabeça e não deve ocupar cargo nenhum;, criticou o escritor.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação