Publicidade

Correio Braziliense

Em conversa 'vazada', Onyx e Osmar Terra discutem saída de Mandetta

Ex-ministro da Cidadania recebeu telefonema de jornalista, atendeu e seguiu conversando com o atual chefe da pasta


postado em 09/04/2020 18:59 / atualizado em 09/04/2020 19:31

(foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
(foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
O atual e o ex-ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni (DEM) e Osmar Terra (MDB), respectivamente, conversaram nesta quinta-feira (9/4) sobre a saída do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), do cargo. O diálogo foi revelado por um telefonema feito por um jornalista da CNN Brasil (leia a transcrição da conversa no fim desta reportagem).

 

Onyx e Terra conversavam a respeito de Mandetta quando o ex-ministro recebeu a ligação de um jornalista, às 8h33. Em vez de desligar, ele atendeu o telefonema, mas continuou conversando. Os dois chegaram até a fazer projeções sobre o número de mortos por coronavírus no Brasil. O primeiro falou em 4 mil pessoas mortas pelo vírus, e o segundo, entre 3 mil e 4 mil. “Vai morrer menos gente de coronavírus do que da gripe sazonal”, afirmou o ex-ministro. 

 

Terra tem se colocado como candidato viável à pasta da Saúde, e nega, contra todas as comprovações e a determinação da Organização Mundial de Saúde (OMS), a eficiência do isolamento social de toda a população como forma de conter o vírus. A opção, o isolamento apenas dos idosos, como quer o presidente Jair Bolsonaro, não protege realmente essa parcela da população, segundo especialistas.  

 

O deputado, que tem feito campanha contra as medidas recomendadas pela OMS e adotadas por diversos países, entre eles, os Estados Unidos, afirmou que o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), "é emblemático", e que se ele acabasse com a quarentena, outros estados o seguiriam. "Se Brasília começa a abrir... ele está com um pouco de receio", comentou. 

Onyx, que além de ser colega de primeiro escalão é do mesmo partido que o ministro da Saúde, o Democratas, disse, por sua vez, que já "teria cortado a cabeça" a Mandetta. A saída do chefe da pasta da Saúde foi aventada no início da semana.


Depois da divulgação da conversa, a mesa da coletiva de imprensa para divulgar os dados do avanço da epidemia no Brasil mudou. Nem Mandetta e nem o ministro-chefe da Casa Civil, general Braga Netto, que estavam anunciados, participaram da divulgação. Braga Netto tem atuado como mediador a favor do ministro da Saúde, que sofre constantes ataques do presidente da República, contrário à atual política de combate ao coronavírus no Brasil.

Confira o diálogo entre Onyx e Osmar terra revelado pela CNN:

Onyx: "Eu acho que esse contraponto que tu tá fazendo..."
Terra: "É complicado mexer no governo por que ele tá..."
Onyx: "Ele (Mandetta) não tem compromisso com nada que o Bolsonaro está fazendo."
Terra: "E ele (Mandetta) se acha."
Onyx: "Eu acho que (Bolsonaro) deveria ter arcado (com as consequências de uma demissão)..."
Terra: "O ideal era o Mandetta se adaptar ao discurso do Bolsonaro."
Onyx: "Uma coisa como o discurso da quarentena permite tudo. Se eu estivesse na cadeira (de Bolsonaro)... O que aconteceu na reunião eu não teria segurado, eu teria cortado a cabeça dele..."
Terra: "Você viu a fala dele depois?"
Onyx: "Ali para mim foi a pá de cal. Eu já não falo com ele (Mandetta) há dois meses. Aí acho que é xadrez. Se ele sai vai acabar indo para a secretaria do Doria [João Doria, governador de São Paulo]." 
Terra: "Eu ajudo, Onyx. E não precisa ser eu o ministro, tem mais gente que pode ser."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade