Politica

Sem apresentar provas, Bolsonaro acusa governadores de desvio de verbas

O presidente ainda colocou em dúvida os números de óbitos pela doença, em especial em São Paulo

Ingrid Soares
postado em 30/04/2020 11:53
Jair BolsonaroO presidente Jair Bolsonaro acusou governadores de desvio de verbas destinadas ao combate do novo coronavírus. A fala ocorreu, na manhã desta quinta-feira (30/4), na saída do Palácio da Alvorada. O chefe do Executivo, no entanto, não apresentou nenhuma prova.

"O governo federal fez tudo. O Paulo Guedes [ministro da Economia], em contato com o Congresso e governadores, liberou recursos para tudo. Nós fizemos tudo que foi possível e mais alguma coisa. Agora, cabe aos governadores gerir esses recursos. O que mais nós temos, por parte de alguns estados, é desvio de recursos. É isso que está acontecendo. Por isso precisamos da Polícia Federal isenta, sem interferência, para poder coibir possíveis abusos", apontou.

Bolsonaro disse ainda que os líderes estaduais não conseguiram diminuir a curva de transmissão do coronavírus. "O Supremo decidiu que as medidas para evitar ou para fazer a curva ser achatada caberiam a governadores e prefeitos. Não achataram a curva. Governadores e prefeitos que tomaram medidas bastante rígidas não achataram a curva", afirmou, pouco antes de embarcar para Porto Alegre (RS) para participar da solenidade de transmissão de cargo do comandante militar do Sul.

O presidente ainda colocou em dúvida os números de óbitos pela doença, em especial em São Paulo. "A curva tá aí. Partindo do princípio que o número de óbitos é verdadeiro. Cada vez mais chegam informações, que o próprio Diário Oficial lá do Estado de São Paulo está escrito lá que na dúvida sobre a causa da morte bota coronavírus para inflar o número para fazer uso político disso", disse.

[SAIBAMAIS]Bolsonaro também chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) de ;gravatinha; o acusou de fazer ;politicalha; em meio à pandemia. "É o governador gravatinha de São Paulo fazendo ;politicalha; em cima de mortos, zombando de familiares que tiveram seus entes queridos que morreram por vírus ou outra causa. É o uso político do senhor governador de São paulo, João Doria, com essas pessoas", afirmou.

Auxílio emergencial e retomada da economia

O chefe do Executivo comentou ainda sobre a crise do desemprego causado pelo vírus. Bolsonaro admitiu que a volta da economia não será "rápida". "Só não está uma desgraça maior porque fizemos esse plano emergencial para pagar os R$ 600 para as pessoas". Ele destacou ainda que cerca de 30 milhões de cidadãos já receberam o benefício, mas pontuou que "muita gente se inscreveu de má-fé", concluiu.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação