Politica

Ministros do STF repudiam ataques de bolsonaristas contra a Corte

Gilmar Mendes afirmou que ''o ódio e as ameaças do vídeo são lamentáveis''. Moraes disse que a Corte ''jamais se curvará''

Bruna Lima
postado em 14/06/2020 19:48
Fachada do STFApós o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffolli, se pronunciar repudiando atos bolsonaristas contra a Corte, os ministros Gilmar Mendes, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes também se manifestaram neste domingo (14/6).

Pelo Twitter, Gilmar Mendes afirmou que "a incitação à violência desafia os limites da liberdade de expressão", criticando fato da noite deste sábado (13/6), quando integrantes do grupo ;300 do Brasil; apontaram fogos de artifício para o prédio do STF como forma de ;dar um recado; aos membros da Corte. O ministro também parabenizou o Correio "pela corajosa cobertura desses atos".
[VIDEO1]

"O STF jamais se curvará ante agressões covardes de verdadeiras organizações criminosas financiadas por grupos antidemocráticos que desrespeitam a Constituição Federal, a Democracia e o Estado de Direito. A lei será rigorosamente aplicada e a Justiça prevalecerá", publicou Moraes, nas redes sociais.
[VIDEO2]

Já Barroso minimizou o alcance quantitativo e qualitativo dos atos, mas frisou que "isso não torna menos grave a sua atuação". O jurista se referiu aos grupos como "guetos pré-iluministas" e suscitou o apoio por parte de "instituições e pessoas do bem" para dar limites a esses grupos. "Há diferença entre militância e bandidagem."
[VIDEO3]

O ataque dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro foi uma reação à ação da Polícia Militar do DF que havia desmontado, mais cedo, o acampamento dos 300 na Esplanada. Nos vídeos, um ativista diz: ;(Estamos) em frente aos bandidos do STF. Isso é para mostrar para eles e para o bandido do GDF: não vamos arregar;.

Acusado de atirar os fogos e xingar o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), o ativista Renan Silva Sena, foi detido por policiais à paisana no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), abordagem filmada pela equipe do Correio.

Contra o ato, o o Ministério Público Federal (MPF) determinou a abertura imediata de inquérito policial para investigar o ocorrido.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação