'MIGUEL VIVE'

Adriana Calcanhotto doa direitos de música para família do menino Miguel

Além disso, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) criou o Instituto Menino Miguel, em homenagem à criança de 5 anos, para tratar de cuidados com a infância ao envelhecimento

Maíra Alves
postado em 17/09/2020 18:19 / atualizado em 17/09/2020 18:21
Mirtes Renata de Souza e o filho, Miguel Otávio, de 5 anos -  (crédito: Reprodução/Facebook)
Mirtes Renata de Souza e o filho, Miguel Otávio, de 5 anos - (crédito: Reprodução/Facebook)

A Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) criou o Instituto Menino Miguel, em homenagem à criança de 5 anos que morreu após cair de um prédio, ao ser abandonada pela patroa da mãe no elevador de um prédio de luxo, no Centro do Recife (PE). O órgão tem como objetivo unir iniciativas relacionadas ao cuidado com a vida, da infância ao envelhecimento, além de se aproximar da promoção da justiça social e dos direitos humanos.

Como forma de apoio, a cantora e compositora Adriana Calcanhotto doou os direitos autorais da música Dois de Junho, que compôs durante a quarentena, ao instituto (veja a letra abaixo). O clipe da música será lançado nesta sexta-feira (18/09), e, segundo a UFRPE, "fortalece a luta pela justiça por Miguel e pelo cuidado com a vida de meninos e meninas do nosso país".

O instituto, que está com a inauguração prevista para outubro, abrigará inicialmente a Escola de Conselhos de Pernambuco, o Núcleo do Cuidado Humano, o Núcleo do Envelhecimento e o Observatório da Família, estruturas já existentes na UFRPE que se unem para o desenvolvimento de pesquisas, projetos e políticas voltadas ao bem-estar e à qualidade de vida. Todo o processo conta com a participação da mãe do Miguel, Mirtes Renata de Souza.


“Pretendemos manter juntos, em uma ação orgânica e sistêmica da UFRPE, os quatro núcleos que têm como objetivo o acolhimento do ser humano desde a infância até o processo de envelhecimento”, ressalta o reitor da Universidade, professor Marcelo Carneiro Leão, em nota. Posteriormente, outras ações serão incorporadas.

‘Miguel vive’

Para o coordenador do Instituto Menino Miguel, professor Humberto Miranda, a entidade possibilita que a universidade esteja ainda mais perto das causas populares, além de manter viva a memória de Miguel Otávio. “Essa memória não deve ser apagada, pois, assim como Miguel, Mirtes e Marta, há outras crianças, mães e avós que precisam ser escutadas. Dessa forma, Miguel vive”, enfatiza.

Confira a letra da música Dois de junho, composta por Adriana Calcanhotto em homenagem a Miguel:

Dois de junho
No país negro e racista
No coração da América Latina
Na cidade do Recife
Terça-feira, dois de junho de 2020, 29 graus Celsius, céu claro
Sai pra trabalhar a empregada, mesmo no meio da pandemia
E, por isso, ela leva pela mão Miguel, 5 anos, nome de anjo
Miguel Otávio, primeiro e único
Trinta e cinco metros de voo do nono andar
Cinquenta e nove segundos antes de sua mãe voltar
O destino de Ícaro, o sangue de preto, as asas de ar

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação